Preso na Maré, fundador de facção deixou a cadeia em 2019 graças a erro, mesmo com pena a cumprir

Carolina Heringer
·2 minuto de leitura

RIO - O traficante Rubens Ricardo da Silva, conhecido como Rubinho do Aço, foi capturado nesta quinta-feira por policiais civis no na Baixa do Sapateiro, no Complexo da Maré, Zona Norte do Rio. Fundador de uma das facções criminosas do estado, Rubinho havia sido solto em 25 de abril de 2019, mesmo com mais de 30 anos de prisão ainda para cumprir. Por causa de uma falha , o criminoso deixou o presídio Benjamin Moraes, no Complexo de Gericinó, pela porta da frente. Nesta quinta, Rubinho apresentou documentos falsos ao ser abordado por policiais civis.

Conforme apurado pelo GLOBO, Rubinho foi solto após uma absolvição em processo na 3ª Vara Criminal do Rio, em 19 de março de 2018, no qual era acusado de ser mandante de um homicídio. O traficante foi libertado sem que fosse conferido se havia outros mandados de prisão contra ele, ou se ele já possuía outras condenações.

Segundo fontes ouvidas pelo GLOBO, antes de um preso ser libertado, agentes da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Rio devem conferir, com a Polinter, da Polícia Civil, se há motivos para que o alvará esteja “prejudicado”, ou seja, para que ele não possa ser cumprido.

Questionada pela Vara de Execuções Penais (VEP) após ter sido descoberto que Rubinho foi solto por um erro, a Polinter respondeu à Justiça que esse levantamento - chamado de SARQ - não foi realizado. Em maio de 2019, a VEP determinou que fosse expedido um novo mandado de prisão contra o criminoso.

Solto após absolvição

Rubinho foi absolvido, em março de 2018, pelo juiz Alexandre Abrahão, da 3ª Vara Criminal do Rio, em processo no qual era acusado de ser mandante de um homicídio. Na ocasião, o magistrado determinou que o alvará de soltura fosse expedido caso o criminoso não estivesse preso por outro motivo.

Mais de um ano depois, no dia 24 de abril de 2019, o alvará de soltura em razão da absolvição no processo na 3ª Vara Criminal foi cumprido e Rubinho, solto no dia seguinte.

Procurados pelo GLOBO, Polícia Civil, Seap e Tribunal de Justiça ainda não se manifestaram.

Operação contra o tráfico na Maré

A operação que prendeu Rubinho foi realizada por agentes da DESARME (Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos), da SSINTE (Subsecretaria de Inteligência) e da CORE (Coordenadoria de Recursos Especiais) com o objetivo de capturar lideranças do tráfico de drogas e apreender armas de fogo. Segundo informações da polícia, três criminosos foram mortos.

Com eles foram apreendidos grande quantidade de drogas como maconha, skunk e cocaína, além de rádiotransmissores, telefones, munição, duas pistolas importadas e um fuzil calibre 556.

Rubinho foi um dos fundadores de uma das facções criminosas do Rio nos anos 90 junto com o traficante Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê. Ao ser abordado pelos policiais nesta quinta, o criminoso apresentou documento de terceiros e foi autuado em flagrante por uso de documento falso.