Preso por corrupção, herdeiro da Samsung é libertado

Samsung Group heir Jay Y. Lee arrives at a court in Seoul, South Korea, January 18, 2021. REUTERS/Kim Hong-Ji
Samsung Group heir Jay Y. Lee arrives at a court in Seoul, South Korea, January 18, 2021. REUTERS/Kim Hong-Ji
  • O chefe da gigante coreana Samsung, Lee Jae-yong, foi libertado sob fiança nesta sexta-feira (13);

  • O magnata de 53 anos tem fortuna estimada em US$ 11,4 bilhões, de acordo com a Forbes;

  • A decisão também liberou 800 outras pessoas que estavam presas.

Após ser condenado a 30 meses de prisão, o herdeiro da empresa Samsung, Lee Jae-yong, foi libertado sob fiança nesta sexta-feira (13), segundo a AFP TV. Políticos e líderes empresariais pediram sua libertação antecipada nos últimos meses por temerem que a gigante coreana tivesse prejuízos. Em Seul, Lee declarou: "Tenho causado muita preocupação às pessoas, realmente sinto muito".

Leia também:

O magnata de 53 anos tem fortuna estimada em US$ 11,4 bilhões. Ele cumpria uma sentença de dois anos e meio de prisão por pagamento de propina, peculato e outros crimes ligados ao escândalo de corrupção que levou à queda do ex-presidente sul-coreano Park Geun-hye.

"Estou escutando cuidadosamente suas preocupações, críticas e altas expectativas sobre mim", declarou o empresário, que foi liberado sob fiança concedida pelo Ministério da Justiça. A decisão liberou mais 800 pessoas que estavam detidas.

Primeira prisão ocorreu em 2017

Condenado a cinco anos de detenção, mas foi libertado um ano depois, quando um tribunal de apelações rejeitou a maioria das condenações por suborno e suspendeu a sentença. Lee foi preso pela primeira vez em 2017.

A Suprema Corte posteriormente ordenou um novo julgamento, no qual Lee foi novamente condenado e preso. O executivo ainda enfrenta julgamento sob a acusação de suposta manipulação de ações, o que teria facilitado sua aquisição do conglomerado familiar.

Na Coreia do Sul, há uma longa tradição de condenar poderosos empresários acusados de suborno, peculato, sonegação de impostos e outros crimes.

O falecido ex-presidente da Samsung, Lee Kun-hee, que foi condenado duas vezes, recebeu perdões presidenciais em reconhecimento de sua "contribuição para a economia nacional".