Preso usa celular para ameaçar tia por 'macumba' contra ele

Rafael Nascimento de Souza
·2 minuto de leitura

RIO — Preso preventivamente na Cadeia Pública Juíza Patrícia Lourival Acioli, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, o detento Rômulo Tavares Pereira, de 26 anos, acusado de cometer dezenas de crimes na Zona Oeste do Rio, descobriu um jeito de ameaçar os seus supostos desafetos do lado de fora da cadeia. Com um aparelho de telefone celular, o criminoso começou a perseguir uma de suas tias, que ele acreditava ser sua inimiga. De acordo com investigação, Rômulo tinha certeza de que ela havia "feito um ritual" para prejudicá-lo. Na manhã da última terça-feira, com autorização da Justiça, investigadores da 28ª DP (Campinho) cumpriram uma busca e apreensão no presídio e encontram o aparelho usado para fazer as ameaças. A busca foi autorizada pela juíza Cláudia Garcia de Couto Maia, do 16º Juizado Especial, que estipulou diversas medidas cautelares contra o preso.

A investigação começou em outubro de 2020, quando Rosângela Tavares da Silva compareceu à 28ª DP para prestar depoimento sobre as ameaças que estava recebendo do sobrinho. Naquela ocasião, a mulher contou que Rômulo e a sua esposa, Ana Carla Mattos Nogueira, passaram a enviar pela conta do Facebook da filha do casal mensagem intimidatórias à tia do detento.

Para os investigadores, Rosângela disse que, em uma das conversas, Rômulo teria escrito: "A terra do cemitério que você usou para fazer macumba para a gente, pode servir para você. Cuidado, hein, Rosângela Tavares". A tia nega que tenha feito algo contra o sobrinho.

Ao longo de quase quatro meses o detento foi monitorado pelas redes sociais. Na última terça, durante as buscas no presídio, que contou com o auxílio de agentes da Secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap), os investigadores encontraram o aparelho, escondido num buraco da cela de Rômulo.

Rômulo — que é acusado e condenado por crimes como roubos, porte de arma e formação de quadrilha — confessou aos policiais que o aparelho era dele. Entretanto não quis dar mais detalhes sobre como conseguiu o telefone. O detento sofrerá sanções administrativas. Rômulo foi indiciado por mais um crime. Desta vez, por ameaça.

O celular de Rômulo passará por uma perícia nos próximos dias. No aparellho, existem dezenas de conversas entre ele e o único contato gravado, Ana Carla. A mulher está sendo investigada.