Pressão alta ficou ainda mais elevada no começo da pandemia, aponta novo estudo

Pessoas com pressão alta viram seus níveis aumentarem durante os primeiros oito meses da pandemia de Covid-19, diz um novo estudo feito por pesquisadores da Cedars-Sinai Medical Center em Los Angeles, Columbia University Irving Medical Center em Nova York e Ochsner Health em Nova Orleans. O trabalho foi publicado na revista Hypertension.

Exercícios: Estudo revela o melhor horário para quem quer emagrecer

Muito além do vinho: Os alimentos ricos em resveratrol, o potente antioxidante

Quando alguém tem pressão alta, a força do sangue empurra as paredes dos vasos sanguíneos, tornando o coração menos eficiente. Ambos os vasos e o coração devem trabalhar mais. Sem tratamento, a pressão alta acabará por danificar as artérias, aumentando o risco de ataque cardíaco ou derrame. A doença cardíaca é a que mais mata no mundo, e a pressão arterial bem controlada é o principal fator de risco modificável.

Os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH), que ajudaram a financiar o estudo, disseram que é uma das análises mais extensas das tendências da pressão arterial desde o início da pandemia.

Os pesquisadores analisaram os registros de mais de 137 mil adultos com pressão alta e compararam seus níveis de agosto de 2018 a janeiro de 2020 com os níveis de abril de 2020 a janeiro de 2021. Os registros vieram do Cedars-Sinai Medical Center em Los Angeles, Columbia University Irving Medical Center em Nova York e Ochsner Health em Nova Orleans. Os participantes, em média, tinham 66 anos. Mais da metade eram mulheres e 30% eram negros.

A pressão arterial é medida em milímetros de mercúrio (abreviado como mmHg). A medição tem um número superior, ou leitura sistólica, e um número inferior, uma leitura diastólica.

Novos sinais: Câncer de pâncreas pode ser detectado até três anos antes dos diagnósticos atuais, diz Oxford

A pressão sistólica mede a força do sangue à medida que bombeia para fora do coração para as artérias, e a diastólica é a pressão criada quando o coração descansa entre os batimentos. A pressão arterial elevada é definida como uma pressão sistólica acima de 140 mmHg e uma pressão arterial diastólica acima de 90 mmHg.

No estudo, as leituras sistólicas dos pacientes subiram 1,79 mmHg, em média, e suas leituras diastólicas subiram em média 1,30 mmHg.

“Embora esses aumentos pareçam pequenos, estudos mostram que apenas um aumento de 2 mmHg na pressão arterial pode aumentar o risco de grandes eventos cardiovasculares em até 5%”, disse o NIH em um comunicado à imprensa.

O aumento geral nos números foi "menor do que o esperado", disse o autor do estudo, Hiroshi Gotanda, professor assistente da divisão de Medicina Interna Geral do Cedars-Sinai Medical Center.

Alzheimer: Cutucar o nariz pode aumentar o risco da doença; entenda

Gotanda acha que a expansão da telemedicina durante a pandemia pode ter ajudado. Outros estudos descobriram que a telemedicina é uma alternativa eficaz para uma consulta médica presencial para controlar a pressão alta.

Como a pressão alta nem sempre causa sintomas, as pessoas que a têm são incentivadas a monitorar seus números em casa. Se eles têm uma consulta médica, podem estar mais atentos em manter o controle para que tenham algo a relatar. E durante uma consulta, os médicos podem alterar sua prescrição se a pressão arterial estiver consistentemente alta.

O estudo relatou que nos primeiros três meses da pandemia as pessoas não estavam verificando sua pressão arterial em casa tanto quanto antes. As medições caíram até 90% em relação a antes da pandemia. O número de verificações aumentou ao longo do tempo, mas mesmo no final do período de estudo, as medições ainda estavam abaixo dos níveis pré-pandemia.

Chiquinho Scarpa: Depois de 10 cirurgias e complicações intestinais, empresário tem alta hospitalar

O estudo teve algumas limitações, incluindo que mediu apenas as pessoas que puderam acessar os cuidados de saúde. Aqueles sem assistência médica ou seguro podem ter tido um resultado diferente.

“O impacto da pandemia na pressão arterial pode ter sido muito maior”, disse Gotanda.

O estudo não sugere por que os níveis de pressão arterial subiram, e é difícil dizer individualmente, disse Gotanda. Mas pode envolver mudanças nas rotinas relacionadas à pandemia.