Pressão de Bolsonaro para desobrigar máscaras incomoda Queiroga, diz jornal

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
BRASILIA, BRAZIL - MAY 11: (L-R) Health Minister Marcelo Queiroga and President of Brazil Jair Bolsonaro gestures during the announcement of a massive acquisition of intubation drugs to treat COVID-19 patients at Planalto Government Palace on May 11, 2021 in Brasilia, Brazil. Brazilian Health Ministry announced the acquisition of 4.5 million doses of intubation drugs to treat COVID-19 after workers reported shortage of critical medicines. Brazilian president Jair Bolsonaro is undergoing a probe carried by the Congress on mismanagement of the pandemic. Brazil is facing a virus outbreak which floods the ICU and already killed almost 424,000 people. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
BRASILIA, BRAZIL - MAY 11: (L-R) Health Minister Marcelo Queiroga and President of Brazil Jair Bolsonaro gestures during the announcement of a massive acquisition of intubation drugs to treat COVID-19 patients at Planalto Government Palace on May 11, 2021 in Brasilia, Brazil. Brazilian Health Ministry announced the acquisition of 4.5 million doses of intubation drugs to treat COVID-19 after workers reported shortage of critical medicines. Brazilian president Jair Bolsonaro is undergoing a probe carried by the Congress on mismanagement of the pandemic. Brazil is facing a virus outbreak which floods the ICU and already killed almost 424,000 people. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
  • A pressão de Bolsonaro para desobrigar o uso de máscaras incomodou o ministro da Saúde

  • Marcelo Queiroga teme que a medida do presidente piore a pandemia de coronavírus no Brasil

  • Bolsonaro não descarta trocar o titular da pasta nas próximas semanas

A pressão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para desobrigar o uso de máscaras para quem já foi vacinado ou já se infectou pelo coronavírus incomodou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Segundo reportagem do jornal Correio Braziliense, o titular da pasta entende que não existem bases científicas que justifiquem a medida e teme um avanço acelerado da Covid-19 no país.

O presidente afirmou que o Ministério da Saúde vai publicar um parecer desobrigando o uso da proteção facial. No entanto, ao comentar o caso, Queiroga afirmou que estão sendo feitos estudos em relação a quem já foi vacinado e não citou quem já se recuperou da doença.

Um estudo do Centro Brasil-Reino Unido para Descoberta Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus (CADDE) apontou que, na segunda onda de Covid-19, cerca de 30% dos casos em Manaus se trataram de reinfecção. Por isso, médicos e a comunidade científica reforçam a necessidade da máscara para reduzir a propagação do vírus.

Fontes ligadas ao governo ouvidas pelo jornal Correio Braziliense disseram que Queiroga tem reclamado da pressão e também está incomodado com o fato de ser investigado da CPI da Covid. Ele teme que qualquer ação que dê força a disseminação da doença sirva para incriminá-lo.

Queiroga é totalmente contra desobrigar o uso das máscaras, inclusive passa várias vezes por dia fiscalizando se a equipe do ministério está utilizando.

No Planalto, Bolsonaro também diz para interlocutores estar descontente com os posicionamentos do ministro, e com a resistência em acatar seus pedidos. De acordo com o Correio Braziliense, não se descarta uma substituição na pasta nas próximas semanas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos