Prevendo problemas, China pede para famílias estocarem comida

·2 min de leitura
A China está dizendo às famílias para estocar alimentos e outros itens básicos diários, já que o mau tempo, a escassez de energia e as restrições da Covid-19 ameaçam interromper o abastecimento. (Imagem antes da pandemia de COVID-19) (Getty Images)
  • Autoridade chinesa pediu para famílias estocarem comidas para o inverno

  • Preocupação com as cadeias de distribuição levaram ao pedido da China

  • China segue com ‘tolerância zero’ contra COVID-19

A China está dizendo às famílias para estocar alimentos e outros itens básicos diários, já que o mau tempo, a escassez de energia e as restrições da Covid-19 ameaçam interromper o abastecimento.

O Ministério do Comércio do país divulgou na segunda-feira (1º) um aviso direcionando os governos locais a encorajar as pessoas a estocarem "necessidades diárias", incluindo vegetais, óleos e aves, para "atender às necessidades da vida diária e emergências".

Leia também

A agência também pediu às autoridades locais que garantam que as pessoas tenham um "suprimento adequado" de produtos essenciais deste inverno até a próxima primavera. E disse às autoridades para manter os preços estáveis ​​- uma fonte de ansiedade nas últimas semanas, uma vez que o custo dos vegetais aumentou em toda a China por causa de chuvas invulgarmente fortes que prejudicaram as colheitas.

A China enfatizou a importância de manter alimentos e outros suprimentos diários no passado - inclusive em setembro, antes de um grande período de férias de uma semana. Mas essas declarações são geralmente óbvias para as autoridades locais lerem e raramente chamam a atenção dos cidadãos comuns. A inclusão de uma linguagem nesta declaração que menciona famílias, no entanto, parece estar colocando as pessoas no limite.

O aviso repentino enviou ondas de choque através da mídia social chinesa na terça-feira, enquanto muitas pessoas especulavam sobre a lógica do ministério do comércio. O governo "nem mesmo nos disse para estocar produtos quando o surto de COVID-19 estourou no início de 2020", escreveu um usuário do Weibo, respondendo à notícia. Outro especulou que as autoridades estavam lembrando as pessoas de que "podem não ter condições de comprar vegetais neste inverno".

A emissora estadual CCTV disse que a parte do anúncio pedindo às famílias que estocassem suas necessidades foi "lida em excesso". Ele também divulgou uma entrevista com Zhu Xiaoliang, um funcionário do Ministério do Comércio, que disse que os suprimentos diários para as pessoas são suficientes e podem ser "totalmente garantidos". Zhu acrescentou que o anúncio se destina às autoridades locais.

China segue com ‘tolerância zero’ contra COVID-19

A China tem mantido uma política rigorosa de 'COVID zero', mesmo com os países em todo o mundo gradualmente se abrindo e aprendendo a viver com o coronavírus. A segunda maior economia do mundo está decidida a erradicar completamente o vírus dentro de suas fronteiras e implementou duras restrições para impedir surtos, incluindo a parada de trens de alta velocidade, a quarentena de passageiros e a mudança do semáforo para vermelho para desencorajar o tráfego em um município onde um único caso foi relatado.

As medidas rígidas da China se tornaram virais no fim de semana depois que um único caso confirmado de coronavírus levou a Disneylândia de Xangai a um bloqueio repentino. Multidões em um vídeo foram mostradas alinhadas em frente a locais de teste improvisados ​​enquanto trabalhadores de saúde com equipamento de proteção individual completo observavam.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos