PRF diz que busca liminar para impedir bloqueio de estradas

SÃO PAULO, SP, 31.10.2022 - TRÂNSITO-SP: Movimentação de veículos na rodovia Dutra no cruzamento com a rodovia Fernão Dias, entre São Paulo e Guarulhos, após bloqueios de caminhoneiros nas rodovias do país em protesto contra a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 31.10.2022 - TRÂNSITO-SP: Movimentação de veículos na rodovia Dutra no cruzamento com a rodovia Fernão Dias, entre São Paulo e Guarulhos, após bloqueios de caminhoneiros nas rodovias do país em protesto contra a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A PRF (Polícia Rodoviária Federal) acionou a AGU (Advocacia-Geral da União) para tentar medida judicial que impeça a ocupação de estradas federais, como está ocorrendo desde a madrugada desta segunda-feira (31).

Criticada pela atuação em meio aos bloqueios de estradas, a PRF defende em nota que desde o início dos bloqueios "adotou todas as providências para o retorno da normalidade dos fluxos", direcionando equipes para os locais e iniciando negociações.

Mas disse que tenta usar o diálogo para garantir, "além do trânsito livre e seguro, o direito de manifestação dos cidadãos". Com o recurso à Justiça, a PRF quer uma medida que impeça os manifestantes de interromperem o fluxo de veículos.

Segundo a PRF, há bloqueios totais ou parciais em estradas de ao menos 11 estados brasileiros. A rodovia Presidente Dutra, que liga São Paulo ao Rio de Janeiro, está totalmente fechada na altura de Barra Mansa (RJ).

Os bloqueios são feitos por militantes bolsonaristas, em protesto contra o resultado das eleições, e não têm apoio de lideranças dos caminhoneiros autônomos, como a Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores).

Por outro lado, são inflamados por influenciadores bolsonaristas, como a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP).

A PRF diz que acionou a AGU em todos os estados onde há bloqueios para obter liminar para "garantir pacificamente a manutenção da fluidez nas rodovias federais brasileiras".

"A PRF encontra-se em todos os locais identificados com efetivo mobilizado nos pontos de bloqueio e permanece trabalhando por fluxo livre nas rodovias federais, viabilizando-se o escoamento da produção, assim como o direito de ir e vir dos cidadãos", diz a nota.

A paralisação ocorre um dia depois que a PRF se tornou alvo de críticas por promover operações de fiscalização de transporte coletivo, ação que foi vista pela campanha petista como estratégia para atrasar eleitores do candidato eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No texto distribuído nesta segunda, a PRF afirma que é uma "instituição permanente de Estado", que "sempre trabalhou com o compromisso de garantir a mobilidade eficiente, a preservação da ordem pública, a segurança viária e o combate ao crime nas rodovias federais brasileiras.