PRF pede a Moraes mais prazo para apresentar relatório sobre multas após bloqueios nas rodovias

O diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques, pediu ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, a prorrogação do prazo para apresentar o relatório completo de multas aplicadas durante as manifestações bolsonaristas, iniciadas no domingo dia 30 de outubro.

Em 147 seções eleitorais: Lula ou Bolsonaro tiveram todos os votos válidos, apesar da polarização

Quase meio milhão de reais por mês: veja quanto os ex-presidentes custam para a União

“Em razão da exiguidade do lapso temporal que nos foi assinalado para resposta e do volume de dados a serem processados, não houve tempo hábil para organizar as informações numa planilha única. Dessa forma, para agilizar o processo e atender essa Colenda Corte, estamos encaminhando as informações tal como nos foram confiadas pelas Regionais, solicitando dilação de prazo para bem remeter-vos as informações devidamente atualizadas e organizadas em planilha, tal qual o Relatório circunstanciado contendo todas as multas aplicadas por esta PRF”, afirmou Vasques.

Na última sexta-feira, o ministro pediu informações sobre o efetivo da Polícia Rodoviária Federal mobilizado entre os dias 28 de outubro até aquela data. Ou seja, desde antes das eleições e durante todo o processo de desbloqueio das rodovias no país. Além disso, deu prazo de 48 horas para que Vasques detalhasse todas as providências administrativas adotadas pela PRF.

“Determino à Polícia Rodoviária Federal para que informe documentalmente, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, a evolução, por ente federado, do efetivo policial rodoviário federal mobilizado, em atuação e em pronto-emprego, entre 28 e outubro até a presente data. Determino, ainda, sejam informados os eventuais recrutamentos realizados para o segundo turno das eleições de 2022, devendo haver detalhamento das lotações de origem dos policiais, bem como para onde foram enviados em missão”, diz o despacho.

No início da semana, o ministro apontou que a PRF não estava realizando sua tarefa constitucional e legal e determinou que a corporação fizesse a “desobstrução imediata das estradas” sob pena de multa pessoal ao diretor do órgão.

Em entrevista à Globonews, o procurador Frederico Paiva, da Procuradoria da República do Distrito Federal (PRDF), afirmou que o Ministério Público Federal (MPF) investiga se houve "motivação política" em eventual omissão da PRF nos bloqueios ilegais e antidemocráticos em rodovias.

— Em relação a PRF, o que a gente questiona é a suposta falta de ação logo após o resultado eleitoral, quando começaram esses bloqueios em rodovias federais. A gente quer saber se por trás dessa omissão da PRF, omissão pelo menos nas primeiras horas, primeiro dia de bloqueio, ela tem alguma motivação política. Essa é uma das vertentes da investigação — disse.

Segundo o procurador, há indícios de que os atos ilegais nas estradas contaram com planejamento e estrutura financeira por trás.