PRF: Rondônia concentra nove das 18 rodovias federais bloqueadas pelo país

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) atualizou o número de bloqueios nas rodovias federais na manhã deste sábado, que chega a 18 trechos distribuídos pelos estados de Mato Grosso, Rondônia, Pará, Paraná e Minas Gerais. Nove vias estão no estado de Rondônia. Em novo boletim divulgado pela corporação, há novas interdições no Pará, Paraná e Mato Grosso. Ainda segundo a PRF, além dos bloqueios, há nove interdições — quando as vias são parcialmente fechadas.

Os fechamentos são realizados por manifestantes antidemocráticos em atos contra o resultado que elegeu Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência da República, no último dia 30 de outubro. A PRF foi acionada para desobstruir as estradas e desfez 1.173 atos.

Trechos bloqueados:

RO: Porto Velho (em dois trechos), Ouro Preto do Oeste, Cacoal, Ariquemes, Jaru, Ji-Paraná, Itapoã do Oeste e Presidente Médici;

MT: Sorriso (em dois trechos), Campo Novo do Parecis e Sapezal;

PA: Novo Progresso (em dois trechos) e Itaituba

MG: Uberaba

PR: União da Vitória

Decisão do STF

As manifestações nas estradas haviam cessado na semana passada. Na ocasião, Jair Bolsonaro gravou um vídeo em que pedia a seus apoiadores que liberassem as rodovias federais.

— Quero fazer um apelo a você. Desobstrua as rodovias. Isso aí não faz parte, no meu entender, dessas manifestações legítimas. Não vamos perder nós, aqui, essa nossa legitimidade. Outras manifestações vocês estão fazendo pelo Brasil todo. Em praças. Faz parte, repito, do jogo democrático. Fiquem à vontade — diz Bolsonaro no vídeo, publicado em suas redes sociais.

As manifestações antidemocráticas foram retomadas em alguns trechos nesta sexta-feira, ainda de madrugada. Na quinta, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, determinou o bloqueio das contas bancárias de 43 empresários e empresas suspeitos de financiarem atos antidemocráticos realizados na última semana. Em sua decisão, o ministro ainda mandou a Polícia Federal colher o depoimento dos alvos em um prazo de dez dias.

Em sua decisão, Moraes aponta que a Polícia Rodoviária Federal informou que "empresários estariam financiando os atos antidemocráticos sob análise, com fornecimento de estrutura completa (refeições, banheiros, barracas, etc.) para a manutenção do abuso do direito de reunião, além do fornecimento de diversos caminhões para o reforço da manifestação criminosa".