Primeira atriz sul-coreana indicada ao Oscar, Youn Yuh Jung conforta agente que não parava de chorar após sair a nomeação

Extra
·2 minuto de leitura

A primeira atriz sul-coreana indicada ao Oscar, Youn Yuh Jung, de 73 anos, comentou numa entrevista à agência de notícias "Associated Press", nesta terça-feira, dia 16, sobre o momento em que foi informada sobre sua nomeação à categoria de Melhor Atriz Coadjuvante, por sua atuação no filme "Minari". Yuh Jung contou que sua agente ficou descontrolada, enquanto ela própria pareceu tranquila em receber a novidade. Segundo a artista, a funcionária não parava de chorar de emoção, e acabou que foi ela mesma quem assumiu o papel de dar conforto após aquela comovente notícia.

"Minha gerente de repente me disse, enquanto ela estava procurando na internet, que eu fui indicada. Minha gerente gritou. Mas eu não. Minha gerente estava tão emocionada que estava meio fora de si. Eu apenas consolei minha gerente a sala de estar", relatou Yuh Jung.

A novidade chegou à atriz cerca de 1h após seu voo chegar à Coreia do Sul nesta segunda-feira, dia 15. Yuh Jung estava no Canadá para participar das filmagens da série "Pachinko". Em razão da viagem, ela está de quarentena, conforme ditam as medidas de combate à pandemia em seu país.

"Sei que muitas pessoas podem querer vir me visitar, mas vocês não podem. Então, vou comemorar com minha gerente. O único problema é que minha gerente não pode beber álcool, então eu vou beber comigo mesma", disse, bem-humorada.

"Minari", dirigido pelo norte-americano Lee Isaac Chung, recebeu seis indicações ao Oscar. Além da categoria em que concorre Yuh Jung, o longa compete em Melhor Direção, Melhor Ator (Steven Yeun), Melhor Roteiro Original e Melhor Trilha Sonora Original. A história é sobre uma família coreana que vai para os Estados Unidos em busca de oportunidades e começa uma vida nova numa fazenda do Arkansas.

Yuh Jung, que estreou em 1966, havia ressaltado já numa entrevista à Vogue, em fevereiro, que adota uma postura otimista com relação à vida.

"Eu decidi que vou viver e morrer rindo. Veja, conforme a vida avança, fica cada vez mais exaustiva. É por isso que só encontro pessoas engraçadas e alegres agora ... enquanto fico o mais longe possível de pessoas sérias que querem fazer coisas como discutir cinema", afirmou.

O cinema sul-coreano chamou atenção no Oscar 2020, com a premiação inédita para o país de Melhor Filme, entregue a "Parasita", de Bong Joon Ho.