Primeira australiana a vencer Wimbledon em mais de 40 anos, Barty se derrete: 'Meu maior sonho'

·1 minuto de leitura

Em jogo duro contra a tcheca Karolina Pliskova, a australiana Ashleigh Barty derrubou um jejum que já ultrapassava os 40 anos em Wimbledon. Sob os olhares do prícipe William e da duquesa de Cambridge Kate Middleton, a número 1 do mundo tornou-se a primeira australiana a ficar com o título do grand slam britânico.

— É abosolutamente incrível conseguir o título aqui em Winbledon, meu maior sonho. A estrelas se alinharam por mim nessa tarde — dereteu-se a tenista.

A última vitória de uma conterrânea havia sido de Evonne Goolagong, em 1980. Nas estreia no torneio, Barty já havia homenageado a ídolo, uma mentora para seu jogo, com um vestido em homenagem ao utilizado pela lendária tenista australiana em sua primeira conquista no palco inglês, em 1971.

— Australianos têm uma história muito rica no esporte, e ser uma pequena parte dela é algo com o que eu sempre sonhei. Tentar criar um legado, um caminho para que meninos e meninas acreditem em seus sonhos — afirmou.

A vitória neste sábado veio por por 2 sets a 1, com parciais de 6/3, 6/7, e 6/3. Número 13 do ranking mundial, Pliskova fez grande partida e desestabilizou Barty no segundo set. A australiana mostrou força e consistência no saque para garantir em um terceiro set disputado.

Com a vitória, a tenista se juntou a Serena Williams, Simona Halep e Garbiñe Muguruza no grupo de tenistas que venceram Wimbledon e o Aberto da França neste século — Barty venceu o segundo em 2019.

Jogadora com o maior número número de vitórias nessa temporada no circuito, Barty tem como próximo compromisso em grand slams o US Open, marcado para o fim de agosto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos