Primeira-dama dos EUA encontra refugiados ucranianos na Romênia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
A primeira-dama dos EUA, Jill Biden, no Aeroporto Internacional Henri Coanda em Bucareste, Romênia, em 7 de maio de 2022 (AFP/Susan Walsh) (Susan Walsh)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A primeira-dama dos Estados Unidos, Jill Biden, elogiou a "incrível força" dos ucranianos que tiveram que fugir de seu país por causa da invasão russa, ao se reunir neste sábado(7) com famílias deslocadas em Bucareste, capital da vizinha Romênia.

"Vocês têm uma força incrível", disse a esposa do presidente Joe Biden depois de ouvir de mães e filhos as provações que tiveram que superar desde que a invasão russa começou em 24 de fevereiro.

"Estamos com vocês e quero que saibam disso", disse Jill Biden durante o encontro na escola "Uruguai", que acolheu cerca de cinquenta crianças ucranianas, acompanhadas pela primeira-dama romena, Carmen Iohannis, segundo imagens do canal público romeno de televisão.

Mais de 860.000 ucranianos fugiram para a Romênia desde o início da ofensiva russa. A maioria foi para outros países, mas cerca de 80.000, mais da metade deles crianças, permaneceram em território romeno, segundo a organização de ajuda World Vision.

Jill Biden está em uma turnê regional de três dias, destinada a expressar o apoio dos EUA à Ucrânia e aos países que apoiam a resistência ucraniana contra a invasão russa.

Pela manhã, ela teve um breve encontro com o presidente romeno, Klaus Iohannis, e participou de uma reunião com membros de agências da ONU e ONGs, dedicadas à ajuda humanitária aos refugiados.

Na sexta-feira, no início de sua jornada, ele visitou os militares dos EUA posicionados na base aérea de Mihail Kogalniceanu (no leste da Romênia).

Na noite de sábado, Jill Biden viajará para a Eslováquia, onde no domingo, Dia das Mães no país, se reunirá novamente com refugiados, trabalhadores humanitários e cidadãos comprometidos em ajudar a Ucrânia.

Desde o início da invasão russa, o governo dos EUA forneceu assistência militar à Ucrânia avaliada em cerca de US$ 3,8 bilhões.

mr/anb/bds/js/pc/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos