Primeira geleira islandesa declarada morta terá 'funeral' no dia 18

MATHEUS MOREIRA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A geleira Okjökull, mais conhecida como Ok, está morta. O fim do icônico bloco de gelo no centro-oeste da Islândia foi confirmado em 2014, mas agora, cientistas e membros da Sociedade de Caminhada da Islândia, marcaram para o próximo dia 18 de agosto o "funeral" que transformará o local em um memorial e, também, em alerta sobre a crise do clima. 

Será instalada uma placa memorial no solo antes encoberto pelo gelo. Ok foi a primeira geleira do país a morrer. Estima-se que nos próximos 200 anos todas as outras geleiras islandesas -mais de 400- tenham o mesmo destino. 

A placa instalada contém uma mensagem para os humanos do futuro.

"Com este monumento reconhecemos que sabemos o que está acontecendo e o que precisa ser feito. Só você [do futuro] saberá se o fizemos". 

“Ok é a primeira geleira da Islândia a perder seu status. Nos próximos 200 anos, todas as nossas geleiras devem ter o mesmo destino. Com este monumento reconhecemos que sabemos o que está acontecendo e o que precisa ser feito. Só você saberá se o fizemos”, diz a placa. Rice University - Divulgação “Ok é a primeira geleira da Islândia a perder seu status. Nos próximos 200 anos, todas as nossas geleiras devem ter o mesmo destino. Com este monumento reconhecemos que sabemos o que está acontecendo e o que precisa ser feito. Só você saberá se o fizemos”, diz a placa.     

Em 1901, a geleira tinha cerca de 38 km². Em 1978, havia sobrado apenas 3 km². Hoje, há menos de 1 km². 

Apesar do funeral, a morte da geleira já era esperada há décadas. Em 2018, quatro anos após o fim de Ok -que ficava no topo de um vulcão-, dois pesquisadores da Universidade de Rice, no Texas (EUA), fizeram um filme sobre o declínio de Okjökull.