Primeira vereadora trans de Niterói, Benny Briolly deixa o Brasil após ameaças

·2 minuto de leitura
Benny Briolly foi atacada em rede social por membros de grupo que se dizia “apartidário”; uma das mensagens mencionava um dos acusados de matar a ex-vereadora Marielle Franco. Foto: Acervo Pessoal
Benny Briolly foi ameaçada e Psol optou por mandar vereadora para fora do Brasil - Foto: Acervo Pessoal
  • Vereadora por Niterói, Benny Briolly (PSOL-RJ) deixou o Brasil após ameaças

  • Psol avaliou que não era seguro que Benny permanecesse no Brasil

  • Segundo equipe, ameaças foram denunciadas a instâncias superiores, mas não foram tomadas providências

A vereadora de Niterói Benny Briolly (PSOL-RJ), primeira parlamentar trans do município, deixou o país após sofrer uma série de ameaças. O comunicado foi divulgado pela equipe da vereadora.

“A vereadora Benny Briolly precisou sair temporariamente do país por conta de ameaças a sua integridade física. Não é de hoje que parlamentares negras, travestis, mulheres, LGBTQIA + e defensoras dos direitos humanos sofrem com a violência política dentro e fora dos espaços legislativos e de tomadas de decisões”, explica a equipe.

Leia também

A nota afirma que, desde que Benny foi eleita, já sofreu uma série de violências, mesmo antes de tomar posse. “Em dezembro de 2020, antes de ser empossada, Benny esteve no parlamento para acompanhar uma sessão. Na ocasião, um grupo de bolsonaristas liderados pelo também eleito Douglas Gomes se reuniam na frente da Câmara”, relata.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Na ocasião, a vereadora teve de ser escoltada pela Guarda Municipal para sair da Câmara em segurança.

Os ataques também acontecem nas redes sociais, como relata o comunicado. “Benny recebeu comentários em suas redes sociais desejando que ‘a metralhadora do Ronnie Lessa’ a atingisse”, uma referência ao assassinado de Marielle Franco, que era vereadora pelo mesmo partido, o Psol.

A decisão foi tomada pelo partido, que estava preocupado com a vida da vereadora. Benny Briolly continuará acompanhando as sessões da Câmara, que acontecem de forma virtual por causa da pandemia.

Os assessores da vereadora também seguem trabalhando, no entanto, o mandato alega que é “inegável que o afastamento cercea seus direitos políticos e prejudica profundamente o exercício do cargo para qual Benny foi eleita: vereadora de Niterói”.

A equipe de Benny afirma que já informou instâncias superiores sobre os riscos que a vereadora corre, mas que não foram tomadas medidas para proteger a vida da polícia. Por isso, a decisão do Psol foi de tirar Benny Briolly do país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos