Primeiras doses da CoronaVac chegam ao Brasil

·2 minuto de leitura
Carga com primeiras doses da CoronaVac chega ao Aeroporto Internacional de São Paulo
Carga com primeiras doses da CoronaVac chega ao Aeroporto Internacional de São Paulo

SÃO PAULO (Reuters) - As primeiras 120 mil doses da CoronaVac, potencial vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela chinesa Sinovac e que está sendo testada no Brasil pelo Instituto Butantan, chegaram ao aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, na manhã desta quinta-feira.

A carga, que chegou em sete contêiners refrigerados, faz parte de um lote de 6 milhões de doses prontas que estão sendo importadas da China e que ficarão armazenadas no Estado de São Paulo aguardando o posterior pedido de registro da vacina e aprovação dela pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Butantan também importará insumos da China para a formulação e envase da vacina em suas instalações e iniciou obras em uma fábrica para, futuramente, realizar a produção integral do imunizante.

"Esse é o momento mais próximo que nós temos de voltar ao nosso normal. Só com a vacina poderemos garantir que o Brasil recupere todos os seus sonhos e deixe de perder vidas para uma doença como essa", disse o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, de acordo com vídeo divulgado pelo governo paulista.

Gorinchteyn foi receber o carregamento no aeroporto ao lado do governador de São Paulo, João Doria (PSDB) e do presidente do Butantan, Dimas Covas.

A CoronaVac está em Fase 3, a última antes do pedido de registro junto a autoridades regulatórias, no Brasil. De acordo com Dimas Covas, é necessário que 61 voluntários do estudo clínico que conta com mais de 10 mil participantes sejam infectados pela Covid-19 para que se possa fazer uma primeira análise do grau de eficácia da vacina.

Não é possível prever quando isso irá acontecer, mas de acordo com presidente do Butantan isso pode ocorrer "a qualquer momento".

Resultados dos estudos em Fases 1 e 2, inicial e intermediária, mostraram que ela induziu uma resposta imune entre os mais de 700 participantes desses testes na China.

A análise da eficácia da vacina, entretanto, só será possível com os dados da Fase 3 do estudo, que está em andamento, além do Brasil, na Indonésia e na Turquia.

(Por Amanda Perobelli e Eduardo Simões; edição Paula Arend Laier)