Primeiro dia de bloqueio total em São Luís tem ruas vazias e filas em bancos

JOÃO PEDRO PITOMBO

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - O primeiro dia de bloqueio total das atividades não essenciais em São Luís (MA) foi marcado pela operação de pontos de bloqueio, ruas vazias, pessoas caminhando com máscaras e filas na porta dos bancos.

A interrupção das atividades foi decretada pela Justiça Estadual do Maranhão na última quinta-feira (30) e tem como objetivo restringir a circulação de pessoas e evitar a disseminação do novo coronavírus.

Pontos movimentados da cidade como a avenida Litorânea, o Anel Viário e o Terminal da Praia Grande, tiveram menor circulação nesta terça-feira (5), segundo avaliação do governo do estado.

A Polícia Militar instalou 50 pontos de bloqueio nas quatro cidades da ilha de São Luís atingidas pela medida. Além da capital, houve bloqueio nas cidades de Paço do Limiar, Raposa e São José de Ribamar.

Só puderam passar pelos bloqueios veículos de quem preenchia os requisitos estabelecidos pelo decreto, como profissionais de saúde a trabalho, funcionários de serviços essenciais e caminhões de carga.

Os trabalhadores de serviços essenciais tiveram que mostrar a Declaração de Serviço Essencial, fornecida pelas empresas e emitida em papel timbrado.

"Centenas de declarações foram apresentadas às guarnições", afirmou o coronel Pedro Ribeiro, comandante da Polícia Militar do Maranhão.

Mesmo com a redução do número de pessoas circulando, foram registradas filas em agências da Caixa Econômica Federal e agências lotéricas para sacar ou buscar informações sobre o auxílio emergencial de R$ 600 disponibilizado pelo governo federal para trabalhadores informais.

O governo do Maranhão informou que as filas foram organizadas com o auxílio de bombeiros militares e civis.

"Estamos obtendo êxito na organização das filas. A situação anterior era absurda, por lamentável falta de planejamento do governo federal", disse o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

De acordo com a Agência Estadual de Mobilidade Urbana, o movimento nos terminais de ônibus da capital maranhense foi pequeno. O sistema de transporte semiurbano está operando com frota de 50%, com a obrigatoriedade de passageiros sentados e com máscara.

Os ferryboats que ligam a ilha ao continente operaram com frota reduzida, realizando apenas quatro viagens por dia com prioridade para caminhões, viaturas e ambulâncias.

O decreto, com prazo de dez dias, prevê a suspensão de todas as atividades não essenciais. As exceções são os serviços de alimentação, supermercados, farmácias, portos e indústrias que trabalham em turnos de 24 horas.

Também está proibida a entrada e saída de veículos da ilha de São Luís. A exceção são caminhões, ambulâncias, atividades de segurança e veículos transportando pessoas para atendimento de saúde.

Carros particulares são autorizados a circular dentro das cidades apenas para compra de alimentos, medicamentos e para transporte de pessoas para atendimento de saúde, serviços de segurança ou considerados essenciais.

A circulação de pessoas em espaços públicos também foi limitada e o uso de máscaras nos locais públicos ou de uso coletivo passou a ser obrigatória.