Primeiro 'eu te amo' de Laís para Gustavo foi à base de bebida alcoólica, assim como o dele: 'Agora falamos todo dia'

Após o tempo confinados no “BBB 22” e tamanha exposição por serem agora famosos, às vezes pode parecer que eles estão a um passo do casamento. Mas Laís e Gustavo acabaram de começar um namoro. Com exatidão, no dia 8 de maio, após a goiana aceitar o pedido do curitibano num churrasco em família. Apesar das muitas perguntas sobre quando virá o noivado, os dois preferem curtir esse início de relacionamento com bastante carinho, cuidado e brincadeiras. E foi o que não faltou nesta entrevista. Durante uma hora, o casal conversou com a Canal Extra num clima descontraído, com direito a piadinhas, choro de emoção e muitas trocas de olhares. “Estamos com mais de 30 anos. Então não vamos entrar num relacionamento se realmente não pensarmos que o parceiro é alguém com quem nos casaríamos, teríamos filhos. Mas é um passo de cada vez”, garante o ex-BBB. A médica confirma que falar sobre o futuro é um tópico tranquilo entre eles, mas reforça: “Tem que acontecer naturalmente, nada forçado. São etapas, e todas têm que ser curtidas. É vida real”. Abrindo um pouco da intimidade, eles falam sobre o casamento dos sonhos e mais. Neste 12 de junho, dia de celebrar o amor, nada mais assertivo que um papo com um casal em clima de lua de mel... O amor está no ar!

Como lidam com a exposição da relação?

Gustavo: Tem o lado bom e o ruim. É legal que as pessoas torçam pela nossa felicidade, que incentivem o casal. Mas às vezes queremos ficar só nós dois, quietinhos, e já não pode muito.

Laís: A liberdade e a privacidade são outras. Mas está sendo muito bom também o carinho, o amor de todo mundo com a gente, querendo nos ver juntos.

Como foi a primeira conversa aqui fora sobre o que seria do relacionamento?

G: Nos conhecemos sob situações totalmente anormais. Sabíamos que íamos nos conhecer realmente só aqui fora, então deixamos a coisa fluir naturalmente. Conheci a família dela e me encantei por eles, são pessoas de bem. Acredito que ela também se deu superbem com meus irmãos, minha mãe (Laís confirma). Então fomos ter o relacionamento natural só depois de já ter ficado junto lá dentro da casa. Está sendo muito bom esse começo. Às vezes, a galera pensa que estamos a ponto de casar, mas estamos levando de uma forma bem convencional.

L: Fizemos um mês de namoro só agora, dia 8! Ai, era para eu ter deixado ele falar a data, para ver se lembrava (risos). Ele é esquecido. Que dia é meu aniversário?

G: 18 de novembro.

L: Ah bom, já gravou (ambos riem).

Lá dentro, não aguentaram ficar mais de um dia terminados. Aqui fora, como lidam com o tempo separados em meio aos compromissos? Sentem falta um do outro?

L: Eu, sim. Esses dias mesmo, ele foi para o jogo e eu mandei mensagem: “Estou com saudades”. Ele não manda, não (risos).

G: Eu estava no jogo do Palmeiras, aí...

L: Tem Palmeiras, ele me esquece, entendeu?

G: Palmeiras chegou primeiro, né? Tem 31 anos dentro do meu coração.

L: Lá vem ele... Então casa com o Palmeiras! (os dois riem).

Como lidam com o assédio em cima do parceiro? São ciumentos?

L: Somos tranquilos quanto a ciúme. Quando há confiança um no outro, está tudo certo. Se o casal perde isso, vai ficando ruim a relação. Quem está com ele sou eu e eu confio no meu taco. O resto pode falar o que quiser, pode dar em cima o tanto que quiser e está tudo certo.

G: O mesmo comigo. Sei que queremos estar juntos. Confio também no meu taco, e o ruim vai ser quando eu estiver com alguém que não desperte comentários bons. Enquanto estão falando bem da tua mulher, está tudo certo.

Gustavo passou de “malvadão” a “último romântico”. Laís também tem seu romantismo? Como demonstra?

L: Eu sou mais reservada nesse ponto. Mas acho que sou romântica também, né? Ou não?

G: Ela é sim. Mas parece que é mais fácil acharmos a mulher romântica do que o homem. Aí quando aparece algum, dá mais impacto. Mas ela também é romântica.

São bem parecidos ou mais no estilo “os opostos se atraem”?

L: Somos bem diferentes. Começando pelo estilo musical: ele gosta de rock, eu sou sertanejo, forró, funk.

G: Ela gosta de carne torrada, eu gosto de carne malpassada... Mas são só detalhes. A gente combina nos valores e cada um tem as suas particularidades, claro.

E acreditam que serão um daqueles casais que vão para muito além do “BBB”?

L e G: Com certeza!

Apesar de estarem no início da relação, falam sobre o futuro? Casamento, filhos...

L: Falamos sobre isso, sim, é um assunto tranquilo, mas acho que tem que acontecer naturalmente. Não tem que ser nada forçado. Vamos planejando aos poucos. A todo lugar que vamos, as pessoas perguntam: “E o noivado vai ser quando?”. Calma, gente, são etapas, todas têm que ser curtidas. É vida real, qualquer casal é assim, ninguém chega pedindo em noivado já.

G: Estamos com mais de 30 anos. Então não vamos entrar num relacionamento se realmente não pensarmos que o parceiro é alguém com quem nos casaríamos, teríamos filhos... É óbvio que você mede mais coisa a essa altura do campeonato, do que media lá com 20. Mas é um passo de cada vez. Já tem muitos querendo que a gente atropele, então precisamos ter um pezinho no freio.

Sempre foi um sonho ter filhos? Quantos?

L e G: Sim.

G: Pelo menos uns quatro.

L: Quatro não, é demais!

G: No mínimo um casal. O extra podemos negociar.

L: É o que Deus quiser, meu filho, não o que a gente quer, não (risos).

Como seria o casório dos sonhos do casal Lagusta no futuro?

G: Eu sempre sonhei com um casamento na praia, com poucos convidados, ao entardecer. Nada muito chamativo.

L: Xiiii, pois eu sou diferente. Sonhei como uma festa bem grande!

Vocês têm regrinhas na relação? Curtir foto, sair sozinho... Já brigaram por alguma situação dessas?

L: Nenhuma. Tudo tem limite, mas cada um sabe o que faz, tem consciência. Então, sem regras.

G: A gente ainda não teve o lado ruim. Só estamos vivendo o lado bom.

Qual presente ou surpresa favorita que um já recebeu do outro?

G: O meu foi o nosso reencontro, porque ela preparou algo bem bacana. Ela estava vestida de Palmeiras, teve chocolate...

L: O meu foi o dia em que ele me pediu em namoro, foi bem emocionante, legal. Não esperava que fosse ser daquele jeito.

E como foi esse dia?

L: Ele estava conhecendo a minha família, estávamos fazendo um churrasco. Foi uma data muito especial porque era o primeiro Dia das Mães sem o meu pai (Laís se emociona). Tentamos reunir todo mundo, fizemos tudo para ir para lá (Goiânia) e aí foi bem emocionante o pedido. Meu pai ia estar muito feliz também.

G: Contei com a ajuda da cunhadinha para fazer a surpresa. E é o que eu falo: você não namora só a pessoa, é a família inteira. Depois que eu conheci a dela, tive ainda mais certeza de que a minha escolha foi certa. Deu match com todos.

Qual a primeira pessoa que um quis apresentar para o outro quando saiu da casa?

L: O Gustavo quis apresentar a mãe dele. Tive um encontro com ela logo de cara muito legal lá no Luciano Huck. E a primeira pessoa que eu quis apresentar foi minha mãe também, tem que aprovar (risos).

G: E, como eu me senti muito acolhido pela mãe dela desde o primeiro momento, já entendi que a bênção estava dada.

L: Minha família já gostava dele desde o início. Ele me livrou de muitas (no “BBB 22”).

G: A mãe dela falou comigo: “Cuida da minha filha igual você cuidava lá dentro”. Eu respondi: “Cuido mais aqui fora”.

O que um faz para agradar o outro que faz sucesso?

G: O que eu mais gosto não posso falar aqui.

L: Deleta essa parte (risos)! Tudo é bom. O jeito que ele me trata, o beijo, a química. Ah, na semana passada, ele cozinhou todos os dias para mim, foi maravilhoso. Tudo comidinha fitness do jeito que eu gosto.

E Laís, que se especializa em dermatologia, passa dicas para o Gustavo?

L: Estou com um pouquinho de dificuldade aqui fora. Porque lá dentro (do “BBB 22”), ele estava sendo exemplo, fazia skincare todo dia bonitinho. Agora... Mas vou, sim, inseri-lo nesse mundo para a saúde da pele. Não só cuidados com a pele, como procedimentos também para prevenir as ruguinhas. Estou tirado o meu CRM aqui de São Paulo.

G: Sei que não é só estética, é saúde também. Agora é óbvio que a estética também vai me ajudar profissionalmente, me abrir portas, render dinheiro. Então vou me cuidar mais do que eu me cuidaria se não tivesse entrado no programa. Ano que vem vou estar mais jovem (risos).

Laís também ajuda na calvície do Gustavo?

L: Vou resolver isso até ano que vem. Já estou estudando, fazendo a parte de tricologia e vou iniciar a parte de transplante capilar.

G: Mas não vou ser cobaia, não. Falei que sou o terceiro da fila.

L: Já tem um na sua frente, meu cunhado.

E começou a especialização depois que o conheceu?

(Ambos riem)

L: Não, eu já estava me encaminhando para esse lado.

G: E eu também já estava com vontade de fazer o implante. Aceito ser careca lá com uns 40, 50 anos. Com 30 ainda não.

L: Aí casou certinho!

G: Quer outra coisa curiosa? A cachorrinha dela faz aniversário um dia antes dos meus!

Apesar de nenhum dos dois ser de São Paulo, estão morando por aí juntos?

L: Estamos procurando apartamento para fixar ainda, mas será cada um no seu cantinho.

G: Só não pode ser muito longe um do outro (ambos riem).

Por que tomaram essa decisão?

G: Uai, porque a gente está junto há três meses!

L: Não, deixa eu contar a verdade. Ele veio falando: “Vamos já juntar, e não sei o quê...”.

G: O que eu pensei: “A gente ganhou um valor X numa plataforma de aluguel no ‘BBB’. Com isso, a gente consegue algo legal, mas com 2X já conseguimos algo melhor”. Daí conversamos e achamos que, realmente, cada um ter seu tetinho é mais saudável para o relacionamento.

L: Tudo tem que ser por etapas. Eu não vou juntar antes de casar, comigo não tem isso, já falei para ele. Tem que ser na ordem certa: primeiro tem o namoro, depois o noivado...

G: E eu não caso sem morar junto porque tem que ter o “test drive”.

L: Pois então vai lá se casar com outra (ambos gargalham).

Têm marcas de casal? Filme, música, comida...

G: Nossa música é “Te assumi para o Brasil”, do Matheus & Kauan. Mas ainda não tivemos tempo de criar muitas memórias. Quero fazer um jantar mais caprichado, sem ser fitness. Estamos descobrindo os gostos um do outro.

O que ainda planejam fazer juntos?

L: Quero muitas viagens com ele, ir para fora do país. Está faltando isso ainda, estamos com a agenda bem cheia agora.

G: Eu gosto muito de viajar, quero ir para Noronha com ela (ambos já foram).

E para o primeiro Dia dos Namorados?

G: Planejei um fim de semana relax, desligar a mente. Isso era a prioridade, não era nem algum restaurante badalado ou algo do tipo. Pensei em fazer uma coisa para ter um momento de mais tranquilidade em meio ao caos que estamos vivendo.

Sempre gostaram mais de namorar?

L: Não. Curti a vida. Na faculdade, extravasei. Só tive dois relacionamentos mais sérios antes dele.

G: Eu também tive dois e faz tempo que terminei o último. Com a pandemia, estava querendo me aquietar, procurando alguém. E aí encontrei.

Que um conheceu a família do outro

Laís conta: “A primeira vez que eu vi a mãe dele foi no susto, no Luciano (Huck). Foi ótimo! Mas ainda tenho que ir para Curitiba conhecer o resto da família”. Já Gustavo descreve: “Foi lá em Goiânia, no Dia das Mães, num churrasco em que estavam mãe, irmãs, tios... Deu uma pressãozinha, mas foi tudo ótimo. Todos me acolheram superbem. Gostei muito deles porque é o tipo de família com que eu me identifico, que tem esse lado meio buscapé”.

Date fora do reality

“Foi num hotel em que eu preparei o nosso encontro, foi muito bom. Depois disso, ficamos juntos no carnaval”, relembra Laís.

Briga

“Não teve nenhuma ainda”, garantem os dois.

Que disseram ‘eu te amo’ um ao outro

“Ele mandou um áudio no celular de uma amiga minha, bêbado no carnaval. No finalzinho da mensagem falou ‘te amo’. E eu pensei: ‘Xiiii!’. Depois ele não lembrava. Bonito isso, né?!”, recordou Laís. O namorado se defende: “Mas eu só encurtei caminho porque o álcool libera o que a gente quer falar e não tem coragem”. E a médica resume: “Agora a gente fala todos os dias. A primeira vez que eu disse também foi bêbada, numa festa lá em Goiânia. Mas eu lembro!” (ambos riem).

Edredom sem câmeras

“Foi bom”, conta Gustavo. Já Laís brinca: “Edredons separados, igual no ‘BBB’”.

...É o mais ciumento?

“Nenhum. Ainda não tivemos essa prova”, explica Gustavo

...Dorme primeiro de noite?

“Gustavo!”, dispara a goiana. “Às vezes. Quando ela não está roncando”, brinca o ex-BBB, mas a namorada devolve: “Mentira, essa noite ele roncou até no meu ouvido, tive que mandá-lo virar!”.

...É o mais romântico?

“Eu né, sou o último (risos). Mas não sou pegajoso”, garante Gustavo.

...É mais organizado?

“Eu”, assume Laís. O namorado discorda e brinca: “Nossa Senhora! Aí tem discórdia, acho que sou eu”.

...É mais brincalhão?

Ambos concordam que é ele.

...Gasta mais?

“Xiiii, eu...”, assume a médica.

...Gosta mais de uma fofoca?

“Eu. Acho que ficou provado lá no ‘BBB’, né?!”, pontua a ex-BBB.

...Pede desculpa primeiro?

“Gustavo. Eu sou um pouquinho orgulhosa nesse ponto”, diz Laís.

...Tem mais fogo?

“Depende do dia”, conta ele.

...Fica mais tempo no celular?

Ambos concordam que é ela.

Fotos: Sergio Santoian

Stylist: Wesley Madson

Assistente stylist e produção de moda: Sil Alves

Beleza: Alice Martins

Agradecimento: Airbnb no Copan (@airbnbnocopan)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos