Primeiro homem a receber transplante duplo de mãos no Reino Unido volta a escrever e aplaudir

O primeiro paciente do Reino Unido a receber um transplante duplo de mãos descreveu sua alegria por conseguir beber, escrever, e aplaudir seu time de rúgbi preferido.

Chris King, de 57 anos, se tornou a segunda pessoa a fazer um transplante de mão no centro Leeds General Infirmary (LGI), especializado neste tipo de operação, e a primeira pessoa a ter duas mãos transplantadas durante uma cirurgia, em julho do ano passado.

Ele perdeu as duas mãos em um acidente com uma máquina de prensagem de metais há quatro anos, e como resultado tornou-se incapaz de realizar as tarefas simples do dia a dia.

No entanto, agora o Sr. King pode desfrutar das atividades simples que desempenhava antes. A primeira delas? Escrever uma carta de agradecimento ao cirurgião responsável pela sua cirurgia.

Chris King perdeu as duas mãos em um acidente com uma máquina de prensagem de metais (PA)
As duas mãos foram perdidas no acidente, e apenas os dedões não foram afetados (PA)

O Sr. King, que é de Rossington, na Inglaterra, demonstrou como agora é capaz de realizar várias tarefas, incluindo escrever, fazer uma xícara de chá, e cuidar do jardim, conforme progride, com uma rapidez maior do que a prevista pelo cirurgião.

Ele disse que está melhorando a cada semana, e seus próximos objetivos são amarrar seus próprios cadarços e abotoar sua camisa.

O Sr. King disse: “Tem sido fantástico. Eu consigo fechar o punho, segurar uma caneta, consigo fazer mais ou menos as mesmas coisas que fazia com minhas mãos originais”.

“Ainda há limitações, mas estou voltando a ser o Chris de antes”.

Pouco tempo após a sua operação, o Sr. King disse que sua primeira meta era servir uma garrafa de sua cerveja Yorkshire ale preferida, da Timothy Taylor.

O Sr. King passou pelo transplante duplo de mãos em julho do ano passado (PA)

Ele disse: “Eu gostei. Ela teve um sabor mais doce para mim, pelo que eu tinha conseguido fazer. Foi uma pequena celebração, só para mim”.

Ele contou que está maravilhado com o quanto gosta de aplaudir, especialmente quando está torcendo pelo Leeds Rhinos nas partidas de rúgbi, ou pelo seu time de futebol, o Leeds United.

O Sr. King perdeu as duas mãos, exceto os dedões, em um acidente de trabalho ocorrido em Doncaster, quatro anos atrás.

Ele esteve perto da morte na ambulância após o terrível incidente, mas uma equipe que ele mesmo chama de “heróis anônimos” do hospital Northern General em Sheffield, conseguiu salvar a sua vida e o suficiente das suas mãos para permitir a cirurgia de transplante em seguida.

As mãos foram fornecidas por um doador “generoso e atencioso” (PA)

O cirurgião plástico, Dr. Simon Kay, realizou o primeiro transplante de mão do Reino Unido em Mark Cahill no LGI, e também foi o responsável pela cirurgia do Sr. King.

Desde então os dois se tornaram amigos e são membros de um clube exclusivo, que ganhou um novo membro após a equipe do Dr. Kay ter realizado mais um transplante duplo.

O hospital espera que no futuro o procedimento se torne tão rotineiro quanto um transplante de rim.

O Sr. King disse que sua habilidade de escrita está melhorando a cada dia agora que ele decidiu voltar a ser canhoto.

O Sr. King agora consegue beber, aplaudir e escrever novamente (PA)

Ele acrescentou: “Tudo está progredindo e estou dando passos importantes – maiores do que eu pensava que poderia dar”.

“Acredito que conseguir amarrar os cadarços será a cereja do bolo, e eu não acho que estou muito longe disso”.

O Sr. King está determinado a agradecer à família da pessoa que doou suas mãos, e encoraja os outros a proporcionarem o que ele chama de “um presente maravilhoso”.

Ele disse: “Torne-se um doador e viva a sua vida ao máximo como eu quero viver agora. Esta é a mensagem que quero transmitir”.

“É tão incrível. Nós somos capazes de fazer coisas fantásticas neste país se pudermos nos esforçar um pouco mais e superarmos o medo de sermos doadores”.

Após a cirurgia no ano passado, a família do doador divulgou uma declaração que dizia: “Nosso irmão era uma pessoa amável, generosa e atenciosa que teria dado a camisa que usava para alguém que precisasse dela”.

“Saber que ele havia se registrado como doador de órgãos fez com que a nossa decisão de apoiar a sua vontade fosse muito mais fácil”.

Imagem principal: PA

Andy Wells
Yahoo News UK