Primeiro-ministro da França recebe calcinhas em protesto contra fechamento de comércio

Extra
·1 minuto de leitura

Donos de lojas de lingerie na França se juntaram em um movimento de protesto contra o fechamento dos estabelecimentos em meio à medidas restritivas contra a Covid-19 no país. Para chamar a atenção do primeiro-ministro Jean Castex, empresários estão enviando calcinhas para o político pelo correio, pedindo que reconsidere a regra.

O protesto, chamado "Action Culottée", começou com um vídeo postado no TikTok em que a dona de uma loja convoca outras pessoas a se juntarem a ela na reinvidicação. Ela reclama também que há supermercados abertos que vendem as peças íntimas, o que pode dificultar a situação financeira das lojas especializadas.

"Vestir roupas íntimas todas as manhãs não é algo para ser relegado a segundo plano, temos todo o direito para estar abertso", afirma na publicação.

O movimento já conta com o apoio de pelo menos 480 comerciantes. Entre os argumentos também está o fato de que o governo autorizou o funcionamento de cabeleireiros e livrarias, por exemplo. Uma das participantes do movimento é Aurélie Vidal Markocki, gerente de uma loja de roupas íntimas na cidade de Caveirac.

— Enviei uma linda calcinha de renda vermelha. Um grande clássico, chique e atemporal! — brinca em entrevista ao jornal "Midi Libre" — Enquanto aguardamos o socorro, devemos continuar pagando nossos encargos fixos e nossos fornecedores. Hoje, nossa situação financeira está se tornando realmente crítica! — ressalta.

Segundo o Action Culottée, ao menos 150 peças já foram enviada a Castex, que ainda não respondeu aos comerciantes.