Primeiro-ministro eslovaco renuncia pela gestão da pandemia

Laszlo Juhasz
·1 minuto de leitura
Heger (esquerda) em cerimônia para tomar posse no palácio presidencial

O primeiro-ministro eslovaco, Igor Matovic, renunciou nesta terça-feira (30) após as fortes críticas recebidas pela sua decisão de comprar vacinas russas e sua gestão da pandemia de covid-19.

A presidente Zuzana Caputova designou o ministro das Finanças, Eduard Heger, para sucedê-lo durante uma cerimônia na capital Bratislava, com a participação dos três políticos, transmitida ao vivo pela televisão eslovaca.

"Quando um ano equivale a dez da sua vida (...). Foi uma honra e obrigado", escreveu Matovic no Facebook antes da reunião.

Lutando contra uma das taxas de mortalidade mais altas do mundo pela covid-19, a Eslováquia ficou presa em uma crise política desde que Matovic deu uma coletiva de imprensa quando chegaram as vacinas Sputnik V, em 1º de março.

Esta decisão de Matovic de comprar a Sputnik V também dividiu a classe política, por exemplo, nas declarações do ex-ministro das Relações Exteriores Ivan Korcok, que descreveu esta vacina como uma "ferramenta de guerra híbrida".

De acordo com uma pesquisa de 21 de março, mais de 80% dos eslovacos queriam a renúncia de Matovic.

A Eslováquia, país da zona euro, com 5,4 milhões de habitantes, tem uma das maiores taxas de mortalidade por covid-19 e de contágios pelo coronavírus do mundo.

Heger, de 44 anos, é um ex-economista e empresário conhecido pelo seu pragmatismo. Membro do mesmo partido político que Matovic, OLaNO, assumiu como ministro das Finanças em março de 2020.

juh/dt/amj/age/mb/aa