Primeiro-ministro do Haiti denuncia 'manobras de distração' na investigação do assassinato de Moise

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
O primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, durante cerimônia em homenagem ao presidente assassinado, Jovenel Moïse, em 20 de julho de 2021 (AFP/Valerie Baeriswyl)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, denunciou neste sábado (11) "manobras de distração" na investigação do assassinato do presidente Jovenel Moise, após ter sido convidado a comparecer ao tribunal, informando que logo após o crime conversou por telefone com uma das pessoas procuradas.

"Manobras de distração para criar confusão e impedir que a justiça faça seu trabalho com calma não serão aprovadas", disse Ariel Henry.

“Os verdadeiros culpados, os autores intelectuais e os patrocinadores do assassinato hediondo do presidente Jovenel Moise serão encontrados, levados à justiça e punidos por seu crime”, acrescentou.

Na sexta-feira à noite, Bed-Ford Claude, comissário do governo de Porto Príncipe - equivalente a promotor - convidou Henry para comparecer perante a promotoria na terça-feira. O oficial disse que, poucas horas após o assassinato de Moise, Henry conversou por telefone com uma das pessoas ativamente procuradas no contexto da investigação.

Joseph Félix Badio, ex-diretor da unidade anticorrupção do Ministério da Justiça, teria sido localizado no bairro onde fica a residência particular de Moise durante ligações feitas para Ariel Henry às 04H03 e depois às 04H20, no horário local.

Como já havia um juiz encarregado da investigação, o promotor não tem o poder de convidar ou convocar ninguém, mas justifica sua abordagem evocando a “extrema gravidade” desse processo “para a nação”.

Legalmente, um primeiro-ministro só pode ser ouvido por um juiz se o presidente da república autorizar.

Em sua carta, Bed-Ford Claude especificou a Henry que sua apresentação à promotoria será voluntária, "levando em consideração as restrições devido a sua condição de alto funcionário público".

O escritório de proteção ao cidadão do Haiti declarou-se "indignado e perplexo" com a revelação desses telefonemas.

"Ariel Henry deve renunciar imediatamente e ser levado à justiça", disse Renan Hedouville, que dirige essa entidade pública, em uma carta no sábado.

Quarenta e oito pessoas, incluindo 18 colombianos e dois americanos de origem haitiana, foram presas como parte das investigações sobre o assassinato de Moise, morto a tiros em sua residência sem que nenhum dos membros de sua guarda particular tenha sido ferido.

amb/led/dg/lda/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos