Presidente italiano não aceita demissão do Primeiro-ministro

O primeiro-ministro de Itália, **Mario Draghi,**anunciou a sua demissão esta quinta-feira mas o presidente Sergio Mattarella não aceita a demissão.

Apesar de o seu governo ter vencido de manhã uma moção de confiança no Senado (por 172 votos a favor e 39 contra) , o Movimento 5 Estrelas, um dos parceiros do governo de unidade que o primeiro-ministro formou no ano passado para fazer face à crise pandémica e económica, boicotou a votação, provocando uma crise no governo.

O boicote deveu-se ao desacordo relativo a um projeto de lei de ajuda financeira para combater a crise energética, que considerou ser insuficiente.

Nos últimos meses, os pontos de desacordo entre o partido o primeiro-ministro tinham vindo a aumentar, em especial no que diz respeito ao auxílio da Itália à Ucrânia no combate à ofensiva russa.

A saída do partido populista do governo não deixaria o executivo em minoria e este poderia continuar a governar até o final da legislatura, em março de 2023. No entanto, Mario Draghi afirmou em comunicado que a "unidade nacional que sustentou o governo desde a sua criação já não existe."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos