Primeiro-ministro sueco entra em confinamento e situação epidêmica se agrava no país

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O primeiro-ministro sueco Stefan Lofven em 29 de maio de 2020
(Arquivo) O primeiro-ministro sueco Stefan Lofven em 29 de maio de 2020

O primeiro-ministro sueco Stefan Lofven iniciou um confinamento em sua residência com sua mulher depois que teve contato com uma pessoa que testou positivo para covid-19, anunciou nesta quinta-feira chefe de Governo do país, onde a situação epidêmica é cada vez mais grave.

"É única coisa responsável que posso fazer nesta situação", afirmou o governante social-democrata em uma mensagem publicada nas redes sociais, na qual explica que tanto ele como a esposa estão bem e não apresentam sintomas.

Na Suécia, um dos poucos países da Europa que não aplicou medidas de confinamento, a pandemia "evolui rapidamente no mau sentido e a situação é séria", admitiu o primeiro-ministro.

O país escandinavo enfrentou a crise de saúde com uma estratégia diferente de seus vizinhos e apostou em recomendações, e não em obrigações e medidas estritas, e praticamente não impôs nenhuma restrição.

Após uma primeira onda que provocou mais de de 5.000 mortes em um país com pouco mais de 10 milhões de habitantes, a situação epidêmica permaneceu sob controle entre julho e meados de outubro, mas o número de casos de coronavírus voltou a aumentar nos últimos dias.

A Suécia registrou na quarta-feira 28 mortes provocadas pela covid-19 e provavelmente o balanço do país vai superar 6.000 óbitos.

Na vizinha Dinamarca, que também enfrenta a segunda onda que afeta o continente, a primeira-ministra Mette Frederiksen e dois terços dos integrantes do Executivo também estão em isolamento após o teste positivo de um ministro.

Frederiksen testou negativo em um primeiro exame, mas decidiu permanecer em confinamento à espera dos resultados de um segundo teste, informou o governo.

map-cbw/hdy/at/eb/mar