Prisão da CPI: Roberto Dias é libertado após 1ª detenção em Comissão de Inquérito

·2 minuto de leitura
Dias com olhar sério enquanto escuta senador na CPI
Após sete horas de depoimento na CPI, Dias recebeu voz de prisão e foi detido pela polícia legislativa

Preso durante depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, foi liberado no final da noite de quarta-feira (7/7).

Segundo informações da TV GloboNews e do jornal Folha de São Paulo, Dias deixou a sede da polícia legislativa no Senado, onde ficou detido por cerca de cinco horas, após pagar fiança no valor de R$ 1.100.

De tarde, ele recebeu voz de prisão do presidente da CPI, o senador Omar Aziz (PSD-AM), que o acusou de ter mentido durante seu depoimento à comissão, que durou mais de sete horas.

Conforme já explicou a BBC News Brasil, tanto o Código Penal quanto a legislação que regula as CPIs preveem que o falso testemunho pode ser considerado um crime e, em caso de flagrante delito, é passível de voz de prisão.

O artigo 148 do regimento interno do Senado Federal afirma que a CPI "terá poderes de investigação próprios das autoridades judiciais" — reproduzindo portanto um rito similar ao de investigações criminais.

Na CPI da Covid, senadores já haviam ameaçado dar voz de prisão a depoentes em algumas ocasiões — por exemplo contra o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten e o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Em maio, o próprio Omar Aziz disse ao site UOL que Pazuello sairia "algemado" se voltasse a mentir na comissão.

Desta vez, o presidente da CPI considerou que Dias cometeu perjúrio (falso testemunho) ao dizer que não marcou um encontro com o empresário e policial Luiz Paulo Dominguetti em fevereiro, num restaurante em Brasília, para negociar a venda de doses da vacina da Astrazeneca ao Ministério da Saúde. Segundo Dominguetti, Dias pediu propina durante esse jantar para que o contrato fosse fechado.

Já o ex-diretor de Logística diz que na ocasião estava tomando um chope com um amigo quando Dominguetti chegou de surpresa no restaurante.

Aziz afirmou que a CPI recebeu mensagens apreendidas no celular de Dominguetti confirmando que o encontro com Dias foi marcado com antecedência. Entretanto, o senador não identificou quem seria o interlocutor do policial nesses áudios, nem divulgou a íntegra das gravações.

"Dei todas as chances à Vossa Senhoria. Ele vai ser recolhido pela Polícia do Senado. Tem coisas que não dá pra admitir, os áudios que temos do Dominguetti são claros. O senhor fez um juramento, e o senhor está detido pela presidência da CPI", afirmou Aziz ao dar voz de prisão.

Alguns senadores o contestaram, como Marcos Rogério (DEM-RO), que acusou o presidente da CPI de abuso de autoridade e afirmou que não havia um fato concreto para prender Dias.

"Isso é uma ilegalidade sem tamanho, um absurdo", protestou também a advogada do depoente, Maria Jamile José.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos