Prisão de médico no Egito foi 'esforço coletivo' que envolveu mulheres brasileiras, diz ONG

·2 minuto de leitura

A prisão do médico Vitor Sorrentino, acusado de assediar uma vendedora no Egito, foi um 'esforço coletivo' que envolveu a colaboração de mulheres brasileiras, segundo a ONG Speak UP. Em texto publicado nas mídias sociais, a rede feminista destacou que mensagens enviadas por meninas e jovens do Brasil explicando o caso ajudaram a denunciar o profissional de saúde.

"Agradeço às meninas e jovens do Brasil que se opuseram ao vídeo desde o primeiro momento, e continuaram escrevendo sobre o incidente por 3 dias até que decidiram coletivamente nos enviar mensagens explicando o que aconteceu para que a mulher inocente tivesse seus direitos", escreveu a ONG. "Obrigado a todos que fizeram essa tendência no Egito e no Brasil. Obrigado ao Ministério do Interior egípcio por sua pronta resposta. O que aconteceu é um esforço coletivo, não individual, em diferentes partes do mundo. Parabéns a todos nós", concluiu.

Sorrentino foi detido no último final de semana após publicar um vídeo no Instagram em que constrange uma vendedora egípcia. Na gravação, o médico a pergunta em português: "Vocês gostam mesmo é do bem duro, né?", enquanto ela mostrava um papiro em uma loja na cidade de Luxor. Depois, em tom de deboche, ainda afirma: "E cumprido também fica legal, né?". Sem entender o idioma, a atendente responde "sim", enquanto ele e os amigos riem.

Diante da repercussão negativa, o médico restringiu o acesso dos perfis nas redes sociais. Ele ainda excluiu o vídeo ofensivo e publicou outro no qual pede desculpas e diz que foi "uma brincadeira". A conta de Sorrentino no Instagram tem quase 1 milhão de seguidores.

O caso ganhou mais visibilidade depois que a ONG Speak UP publicou detalhes do ocorrido. A hashtag #ResponsabilizemOAssediadorBrasileiro, em tradução livre, figurou entre as mais comentadas do Twitter.No domingo (30), o Ministério do Interior do Egito emitiu um comunicado sobre medidas judiciais que foram tomadas contra um estrangeiro. O comunicado não cita o nome do médico.

"O Ministério do Interior conseguiu prender um estrangeiro após assédio a uma mulher, depois que ele publicou um vídeo com imagens do incidente em uma rede social, onde os serviços de segurança conseguiram identificar a vítima e o autor, e tomar as medidas judiciais contra ele e apresentar ao Ministério Público competente", afirmou o órgão.

Após a detenção, a família também divulgou uma nota sobre o ocorrido na qual classifica como "irreais e inverídicas" as notícias relacionadas à prisão do médico. Diz ainda que Sorrentino retornará ao Brasil e explicará o caso assim que terminados os trâmites no Egito.

"Viemos, por meio desta informar, que são irreais e inverídicas as manchetes de prisão do Dr. Victor Sorrentino. O médico está prestando esclarecimento às autoridades para desfazer, assim como já havia feito, inclusive, com a própria egípcia, os vieses maldosos implementados aos seus atos por parte da imprensa, na última semana. Assim, quando terminados os trâmites no país, o Dr. Victor retornará e explicitará todo o ocorrido".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos