Privatização de balsas de Doria reforça marca ambiental

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO SEBASTIÃO, SP, 21.10.2016: BALSA-SP - Balsa na travessia entre São Sebastião (SP) e Ilhabela (SP), no litoral norte. (Foto: Moacyr Lopes Junior/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO SEBASTIÃO, SP, 21.10.2016: BALSA-SP - Balsa na travessia entre São Sebastião (SP) e Ilhabela (SP), no litoral norte. (Foto: Moacyr Lopes Junior/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O projeto do governo Doria para a privatização das balsas do litoral paulista, discutido em audiência pública nesta quarta (25), exalta os aspectos ambientais como marca, no momento em que a imagem do governo federal na área piora ainda mais.

Além de ter que incentivar pedestres e ciclistas com tarifas mais baixas, ou até zeradas, em relação aos veículos, a empresa que ganhar a concessão do sistema das travessias litorâneas terá de reservar R$ 11 milhões para investimentos em sistemas para evitar derramamento de óleo, retirada de embarcações paradas e outros riscos.

O serviço hoje transporta 28 mil automóveis e 22 mil pedestres e ciclistas por dia em oito travessias. O recurso faz parte da estimativa do governo de R$ 240 milhões em investimentos, sendo R$ 106 milhões para recuperação da infraestrutura existente e R$ 123 milhões em melhorias e aumento da capacidade das embarcações, além dos R$ 11 milhões para o ambiental.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos