"Problema da Petrobras é que presidente não sabe o que fazer com ela", diz Tebet

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Pré-candidata à presidência pelo MDB, Simone Tebet se posicionou contra a privatização da Petrobras (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Pré-candidata à presidência pelo MDB, Simone Tebet se posicionou contra a privatização da Petrobras (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Resumo da notícia

  • Simone Tebet afirma que problema da Petrobras é que presidente Bolsonaro não sabe o que fazer com a empresa

  • Pré-candidata se posicionou contra a privatização da empresa

  • Tebet também fez críticas ao ex-presidente Lula e citou o Petrolão

Pré-candidata à presidência da República pelo MDB, Simone Tebet afirmou que o problema da Petrobras é que o presidente, Jair Bolsonaro (PL), não sabe o que fazer com a empresa. “Ele terceiriza os problemas, porque não sabe resolver”, declarou, em entrevista ao portal g1.

Tebet afirmou ser contra a privatização da empresa. “Você perde o mínimo de controle que ainda – quando disse controle, não digo intervenção, o governo não pode intervir em uma sociedade de economia mista, que tem acionistas privados, mas tem o mínimo de controle, porque ele indica o presidente da empresa, ele indica seis dos seus conselheiros”, afirmou. “Você tem aí a presença do estado como sócio majoritário dizendo ‘vamos por esse caminho, não vamos por esse caminho’”.

Simone Tebet definiu a privatização da empresa como “um assunto estéreo”, porque não passaria no Congresso Nacional e tampouco resolve o problema da companhia.

“O problema da Petrobras é outro: o problema da Petrobras é que nós temos um presidente da República que não sabe o que fazer com ela, porque é incompetente, inoperante. Ele terceiriza os problemas, porque ele não sabe resolver”, opinou.

Além das críticas ao presidente Jair Bolsonaro, Simone Tebet também fez críticas ao ex-presidente Lula e citou o Petrolão e o próprio partido, o MDB, que é acusado de envolvimento no esquema.

“Tivemos um outro presidente que fez da pauta da estatal como uma política ideológica de se manter no poder. O Petrolão nada mais foi do que fatiar, inclusive com o MDB, a Petrobras com partidos aliados para poder votar qualquer coisa dentro do Congresso Nacional e conseguir a votação da sua sucessora”, disse. “Esse é o grande problema, trazer política partidária para dentro de uma estatal séria.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos