Problema logístico no controle de temperatura atrasa distribuição de vacinas da Pfizer na Europa

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO — O transporte das vacinas da Pfizer contra a Covid-19 para oito países europeus está atrasado em razão de um problema logístico relacionado ao controle da temperatura da vacina, segundo o Ministério da Saúde da Espanha. A vacina da Pfizer precisa ser armazenada e transportada a -70º Celsius.

O atraso no envio das vacinas foi anunciado pelo Ministério espanhol da Saúde e pelo próprio grupo farmacêutico, um dia depois do início da campanha de imunização em vários países da União Europeia, trazendo esperança contra uma doença que já infectou mais de 80 milhões de pessoas no planeta e matou mais de de 1,76 milhão. A Europa é a região mais afetada do mundo, com mais de 25,4 milhões de casos e quase 550 mil mortes.

"Devido a um pequeno problema de logística, modificamos o cronograma de um número limitado de entregas. A questão de logística foi resolvida, e as entregas estão sendo despachadas. Não há problemas de fabricação", disse o diretor global de comunicações da Pfizer, Andrew Widger.

Um dos países mais afetados da Europa com 50 mil mortos, a Espanha deveria receber nesta segunda-feira 350 mil doses da vacina fabricada pelos laboratórios Pfizer e BioNTech.

"A Pfizer Espanha indica que foi informada por sua fábrica de Puurs (Bélgica) sobre o atraso nos envios para oito países, incluindo a Espanha, devido a um problema no processamento de carga e envio", afirma o Ministério em um comunicado, que não revela os demais países afetados, o que o laboratório também não fez. A próxima entrega chegará à Espanha na terça-feira. "Parece que é por uma questão logística relativa ao controle de temperatura" completou o ministro da Saúde espanhol, Salvador Illa, ao jornal "El País".

O incidente ocorrr depois que a campanha de imunizaçao na Alemanha sofreu atrasos em várias cudades depois que os termômetros ostraram que mil doses poderiam não ter sido mantidas no frio necessário durante o envio aos centros de distribuição alemães.

Além da vacina Pfizer/BioNTech, a UE deve aprovar outros fármacos em breve, como a da AstraZeneca e Oxford, provavelmente em 6 de janeiro.