Problemas como atrasos e superlotação dos trens geram multas de mais de R$ 6 milhões à Supervia

Após vistorias nas estações Central do Brasil, São Cristóvão, Pavuna, Honório Gurgel, Rocha Miranda, Ricardo de Albuquerque, Anchieta, Olinda, Praça da Bandeira, Mangueira, Riachuelo e Engenho de Dentro, o Procon-Rj decidiu aplicar sete multas à Supervia, concessionária que administra o sistema de trens no Rio, que juntas somam R$ 6,2 milhões. Entre as irregularidades encontradas durante a fiscalização e que geraram as sanções estão superlotação e atrasos nas viagens.

Na primeira quinzena de maio, o Procon-RJ já havia aplicado duas sanções à Supervia, que totalizaram R$ 3 milhões. Em abril, a Agência Reguladora de Transportes (Agetransp) havia multado a empresa em R$ 2,2 milhões, por não ter feito vários investimentos que constavam do contrato de concessão, entre eles reformar e adequar a acessibilidade de 48 estações, construir novos pátios e duplicar o trecho Gramacho-Saracuruna, entre outros.

Também em abril, reportagem do EXTRA mostrava que a agência já havia aplicado R$ 30,3 milhões referentes à 174 multas à concessionária por problemas diversos no transporte ferroviário, desde 2000. Porém, apenas R$ 5,75 milhões, ou 19% do total havia sido paga.

— Passamos da fase do diálogo e estamos exigindo que a empresa ofereça o serviço que o cidadão merece e precisa receber. A fiscalização é um dever do Estado, assim como é uma obrigação da Supervia respeitar o usuário e garantir que ele tenha um sistema que funcione — disse o governador Cláudio Castro sobre as novas multas.

Nas 12 estações vistoriadas, os fiscais constaram também problemas como desnível e espaçamento inadequado entre os vagões e as plataformas, além da presença de homens no vagão destinado às mulheres e ausência de acessibilidade. A multa mais alta é pelas infrações observadas nas estações Ricardo de Albuquerque, Anchieta e Olinda, no valor de R$ 1.5 milhão.

O Procon-RJ informou que desde abril tem realizado fiscalização nas estações de trem para apurar como o serviço é prestado à população. Ao todo, 38 estações foram fiscalizadas e 20 autos de infração já foram lavrados. Informou ainda que outros 10 autos de infração foram lavrados e seguem os trâmites legais, que poderão resultar em novas multas.

— O cidadão fluminense merece um transporte digno, eficaz e de qualidade. As ações de fiscalização continuarão, enquanto os problemas denunciados pela população não forem sanados — afirmou o presidente do Procon-RJ, Cássio Coelho.

Os problemas no sistema de trens fazem parte do cotidiano dos usuários. Na manhã desta terça-feira, passageiros reclamaram de atrasos de até 40 minutos entre Gramacho e Saracuruna, além da superlotação.

"Meu Deus, está difícil. Acabei perdendo o trem que saiu de Saracuruna. Agora só sai outro em 40 minutos. Tive de pegar ônibus. Está difícil a vida do trabalhador da Baixada Fluminense" reclamou a Passageira Simone Santos, numa rede social. "Meu patrão me ligou para perguntar porque não cheguei ni no trabalho. E aí Supervia, explica para ele o motivo diário dos meus atrasos", protestou outra usuária, também nas redes sociais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos