Procurador deixa ouvidoria-geral após dizer que 'escravidão foi porque o índio não gosta de trabalhar'

Bruno Alfano

RIO — O procurador do Ministério Público do Pará Ricardo Alburquerque pediu afastamento do cargo de ouvidor-geral da instituição após dizer, durante palestra na sede da instituição, que a escravidão de negros aconteceu no Brasil porque "índio não gosta de trabalhar".

— Esse problema da escravidão aqui no Brasil foi porque o índio não gosta de trabalhar, até hoje. O índio preferia morrer do que cavar mina, do que plantar para os portugueses. O índio preferia morrer. Foi por causa disso que eles foram buscar pessoas nas tribos na África, para vir substituir a mão de obra do índio. Isso tem que ficar claro, ora! — afirmou.

Representantes quilombolas e indígenas estiveram na sede da instituição e foram recebidos por Gilberto Martins. Eles deram entrada no protocolo geral do Ministério Público em uma Notícia Crime em desfavor do procurador de Justiça Ricardo Albuquerque.