Procuradores federais investigam homem que sentou em cadeira de Pelosi no Capitólio

Sarah N. Lynch e Makini Brice
·1 minuto de leitura
Apoiadores do presidente dos EUA, Donald Trump, invadem o prédio do Capitólio

Por Sarah N. Lynch e Makini Brice

WASHINGTON (Reuters) - Um parlamentar estadual da Virgínia Ocidental e um homem fotografado sentado à mesa da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, estão entre as pessoas que enfrentam acusações federais por conta do cerco ao Capitólio norte-americano por apoiadores do presidente Donald Trump, anunciaram procuradores federais nesta sexta-feira.

Também em decorrência do mesmo incidente, o procurador-geral em exercício dos EUA anunciou que o FBI fará uma parceria com o Departamento de Polícia de Washington para investigar em conjunto a morte do oficial da Polícia do Capitólio Brian Sicknick, que morreu após ser ferido na defesa ao Capitólio na quarta-feira.

"Mesmo tendo deixado a região de Washington, você ainda pode receber uma visita em casa se descobrirmos que você participou das atividades criminais no Capitólio", disse Steven D'antuono, diretor assistente encarregado do escritório do FBI em Washington, em um pronunciamento por telefone à imprensa.

O Departamento de Justiça publicou detalhes nesta sexta-feira sobre 13 réus que foram acusados na Corte Distrital dos EUA para o Distrito de Columbia por seus papéis em conexão com a invasão do Capitólio.

Entre eles está Cleveland Meredith, que foi acusado de ameaçar Pelosi, e Richard Barnett, um homem da cidade de Gravette, no Arkansas, que foi fotografado sentado à mesa de Pelosi.

"As imagens chocantes do sr. Barnett com suas botas sobre a mesa da presidente da Câmara na quarta-feira foram repulsivas", disse Rosen em nota. "Os que cometeram atos criminosos durante a invasão do Capitólio enfrentarão a Justiça".