Procuradoria do Equador embarga contas bancárias do ex-presidente Correa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
(Arquivo) O ex-presidente do Equador, Rafael Correa, em entrevista à AFP na Cidade do México, em 13 de abril de 2021 (AFP/ALFREDO ESTRELLA)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Procuradoria Geral do Equador informou nesta sexta-feira (12) que ordenou o embargo das contas bancárias do ex-presidente socialista Rafael Correa, que foi julgado e condenado 'in absentia' a oito anos de prisão por corrupção.

Um tribunal de execução dispôs na quarta-feira (10) "o embargo das contas bancárias dos sentenciados por crime de suborno" no caso conhecido como 'Sobornos 2012-2016', entre eles Correa, que vive na Bélgica desde 2017, quando deixou o poder, assinalou a Procuradoria em comunicado.

O ex-vice-presidente Jorge Glas e outras 16 pessoas - entre ex-funcionários e empresários - também foram condenadas por participar de um esquema de corrupção no qual funcionários e agentes públicos receberam propina em troca de contratos durante o mandato de Correa.

Além disso, Glas cumpre, desde 2017, uma pena de seis anos de prisão por receber propina da construtora brasileira Odebrecht. Em janeiro, foi sentenciado a outros oito anos de prisão por mau uso de recursos públicos em um contrato no setor de petróleo.

A Procuradoria acrescentou que também solicitará ao tribunal "que determine o embargo dos bens móveis e imóveis registrados no nome dos condenados".

Correa, que é considerado foragido da Justiça equatoriana, foi vinculado ao caso por causa de 6 mil dólares que foram depositados em sua conta e alega que se tratou de um empréstimo de um fundo partidário.

O ex-mandatário também afirma que o julgamento foi uma perseguição política por parte de seu ex-aliado, o ex-presidente Lenín Moreno. A sentença pelo caso 'Sobornos 2012-2016' foi ratificada em julho de 2020.

"A Procuradoria Geral do Estado não cessará em seu trabalho de fazer cumprir o disposto nas sentenças ditadas pelos juízes competentes e, desta maneira, restituir o dano causado ao Estado equatoriano", assinalou a entidade.

As penas por peculato, suborno, concussão e enriquecimento ilícito são imprescritíveis no Equador.

pld/gm/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos