Procuradoria do Peru abre investigação por denúncia de plágio em dissertação de Castillo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O presidente peruano, Pedro Castillo, usa a faixa presidencial ao deixar o Congresso após sua posse em 28 de julho de 2021 em Lima (AFP/Janine Costa) (Janine Costa)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Procuradoria do Peru abriu nesta quinta-feira (5) uma investigação contra o presidente Pedro Castillo e sua esposa, após a denúncia de um programa de televisão de que eles teriam plagiado sua dissertação de mestrado, o que o mandatário nega.

"O Ministério Público iniciou uma investigação oficiosa contra o presidente da República, Pedro Castillo Terrones, e sua esposa Lilia Paredes, pelo suposto crime de plágio agravado, falsidade genérica e oneração indevida em prejuízo ao Estado", disse a entidade no Twitter.

A investigação ficará a cargo do procurador Juan Ramón Tantalean, da região de Cajamarca, lugar de origem do casal presidencial.

Castillo negou na quarta-feira que ele e sua esposa, Lilia Paredes, plagiaram a dissertação, depois que a universidade envolvida abriu uma investigação interna devido à denúncia.

"Rechaço as alegações mal intencionadas (...) sobre a veracidade da dissertação de mestrado que fiz há mais de 10 anos na Universidade César Vallejo e que com base em um software indicam que fiz uma cópia”, afirmou o presidente de esquerda em nota.

De acordo com o programa dominical “Panorama”, do canal Panamericana, Castillo e sua esposa, ambos professores rurais, plagiaram 54% da dissertação que fizeram juntos em 2011.

“Não copiei, nem adjudiquei autoria de terceiros, como, de forma irresponsável, pretendem fazer a população acreditar”, disse Castillo, que sustentou que “essa denúncia é de tom político e parte de um plano desestabilizador”.

O fundador dessa universidade, o político opositor César Acuña, também foi acusado em 2016 de plagiar uma tese para obter um doutorado na Espanha em 1997, mas o caso foi arquivado pela justiça espanhola.

O plágio agravado é punido com até oito anos de prisão na lei peruana. A oneração indevida em prejuízo ao Estado se deveria aos bônus salariais obtidos pelo casal por ter diploma de pós-graduação.

No entanto, o presidente tem imunidade, portanto, não pode ser julgado antes de deixar o poder. Seu mandato termina em 2026.

Castillo e sua esposa obtiveram com a dissertação o grau de mestre em Educação, com menção em Psicologia Educativa.

O presidente peruano, de 52 anos, está no poder há nove meses e enfrenta uma oposição ferrenha e críticas frequentes de líderes da direita radical, que promoveram duas moções de "vacância presidencial" (destituição) contra ele.

As moções de "vacância" se tornaram rotina no Peru e causaram a queda dos mandatários Pedro Pablo Kuczynski, em 2018, e Martín Vizcarra, em 2020, o que mantém o país em uma instabilidade constante.

cm/fj/ljc/GM/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos