Procuradoria volta a pedir condenação de Dória por uso indevido de verbas públicas

A pena para o tucano, caso a ilegalidade seja comprovada, seria a perda do mandato de governador - Foto: AP Foto/Andre Penner

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Procuradoria acusa tucano de utilizar verbas públicas para impulsionar sua candidatura em 2018

  • Defesa de Dória nega qualquer irregularidade na campanha

A Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo ratificou o pedido de condenação do governador João Dória (PSDB), nesta quarta-feira (21), por uso indevido de publicidade da prefeitura para promover sua candidatura ao governo de São Paulo.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO FLIPBOARD

De acordo com o órgão, os gastos de publicidade institucional da prefeitura no primeiro trimestre de 2018 foram 122% maiores do que a média do mesmo período nos anos anteriores. Os procuradores alegam que Dória utilizou a máquina municipal para impulsionar sua candidatura ao governo estadual nas eleições de 2018. O tucano ocupou a prefeitura da capital até o início de abril, quando deixou o cargo para concorrer ao governo, batendo Marcio França (PSB) na disputa.

Leia também

"A Lei das Eleições (Lei 9.504/97) veda, no primeiro semestre do ano eleitoral, despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais e municipais que excedam essa média”, afirma a nota divulgada pela procuradoria nesta quarta.

A pena para o tucano, caso a ilegalidade seja compravada, seria a perda do mandato de governador. A procuradoria pede ainda a inelegibilidade dele e de seu vice, Rodrigo Garcia (DEM). O caso ficará agora a cargo do Tribunal Regional Eleitoral em São Paulo.

A defesa do tucano negou que ele tenha cometido qualquer irregularidade. "A defesa do governador já se manifestou sobre esta ação demonstrando que não houve abuso de poder econômico e reitera a legalidade e a correção de sua conduta na gestão municipal", diz a nota do atual governador paulista.