Produção de petróleo da Petrobras sobe no 1º tri; refino recua com venda da Rlam

Sede da Petrobras

Por Nayara Figueiredo e Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A produção total de petróleo e gás da Petrobras somou 2,796 milhões de barris de óleo equivalente ao dia (boed) no primeiro trimestre, uma alta de 1,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior, informou a estatal nesta quarta-feira.

A produção de petróleo da empresa no Brasil atingiu 2,231 milhões de barris por dia nos três primeiros meses do ano, com aumento de 1,6% na mesma comparação.

Na comparação com o quarto trimestre, a produção total de petróleo e gás subiu 3,4%, principalmente em razão da continuidade dos "ramp-ups" do FPSO Carioca (campo de Sépia) e da P-68 (campos de Berbigão e Sururu), localizados no pré-sal da Bacia de Santos.

Houve ainda menor perda de produção por conta das paradas para manutenção, em comparação com o quarto trimestre e impulso de novos poços no pós-sal na Bacia de Campos, como em Roncador, por meio de uma parceria da empresa com a Equinor para aumentar o fator de recuperação de petróleo.[nL2N2WI0SQ]

A companhia destacou que atingiu recordes mensal e trimestral na produção do pré-sal: 2,06 milhões de boed, em janeiro, e 2,03 milhões de boed no trimestre.

A petroleira destacou ainda o início da operação do FPSO Guanabara, previsto para maio, no campo de Mero, no pré-sal da Bacia de Santos.

O FPSO Guanabara, atualmente na locação, já concluiu atividades de interligação, e aguarda autorização regulatória para iniciar a produção, segundo a Petrobras.

A plataforma, a primeira definitiva do campo de Mero, tem capacidade para processar até 180 mil barris de óleo.

"O FPSO Guanabara é a unidade de produção de petróleo mais complexa a operar no Brasil. A implementação de um projeto com essa tecnologia é resultado de mais de uma década de aprendizado no pré-sal e da atuação integrada entre a Petrobras, parceiros e fornecedores", disse o diretor de Desenvolvimento da Produção da Petrobras, João Henrique Rittershaussen, em relatório.

DERIVADOS

Já as vendas de derivados de petróleo da Petrobras no mercado interno atingiram 1,7 milhão de barris/dia no primeiro trimestre, alta de 2% na comparação anual, mas uma queda de 8% versus o quarto trimestre.

As vendas de diesel atingiram 716 mil barris por dia no 1º trimestre, queda de 2,1% na comparação anual, enquanto as de gasolina saltaram 17,3%, para 402 mil barris por dia.

Já a produção de derivados de petróleo da Petrobras atingiu 1,726 milhão de barris/dia nos três primeiros meses do ano, queda de 5,2% na comparação anual e de 9,6% ante o quarto trimestre, devido principalmente à venda da refinaria Rlam, na Bahia, que impactou também as vendas da companhia.

Por outro lado, a Petrobras destacou que o fator de utilização total do parque de refino (FUT) no primeiro trimestre foi de 87%, "mantendo-se no patamar elevado observado no quarto trimestre" e 5 pontos percentuais acima do verificado um ano atrás, quando houve paradas programadas de unidades relevantes.

A Petrobras informou ainda que a geração de energia elétrica no primeiro trimestre foi de 1.765 MW médios, uma redução de 49,9% em relação ao quarto trimestre, em virtude da melhora do nível dos reservatórios das hidrelétricas no país.

A empresa disse ainda que a entrega de gás nacional foi reduzida para 37 milhões de m³/dia, ante 43 milhões um ano antes, principalmente em decorrência do encerramento dos prazos de contratos de compra da Petrobras junto a parceiros e terceiros, que passaram a vender seu gás diretamente a seus clientes, além dos desinvestimentos em E&P no Nordeste.

MERCADO EXTERNO

As exportações de petróleo alcançaram 543 mil barris por dia no primeiro trimestre, avanço de 6,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Na mesma linha, as vendas externas de óleo combustível aumentaram 6,5% no intervalo avaliado, para 212 mil barris por dia, disse a empresa.

Quando comparada ao quarto trimestre do ano passado, a exportação líquida da companhia cresceu 9,9% em função do maior embarque de petróleo, parcialmente compensado pelo incremento na importação, principalmente de petróleo, na comparação entre os períodos.

"O aumento das exportações de petróleo decorre do crescimento da produção de petróleo e da realização de cerca de quatro milhões a mais de barris de exportações em andamento no primeiro trimestre em comparação com a realização do quarto trimestre de 2021", disse a empresa.

Já a redução das importações de derivados, principalmente diesel e gasolina, no primeiro trimestre ante o quarto trimestre, ocorreu devido à diminuição da demanda. Na comparação anual, houve uma alta de 7,1% na importação de diesel, para 75 mil barris dia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos