Produção de petróleo no Brasil recua pelo 3º mês em novembro, aponta ANP

·2 minuto de leitura
Plataforma de produção de petróleo na bacia de Santos, no Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A produção de petróleo no Brasil caiu 4,1% em novembro ante o mês anterior, para 2,755 milhões de barris por dia (bpd), em seu terceiro recuo mensal consecutivo, em meio a paradas programadas e necessidades operacionais, apontou a reguladora do setor ANP nesta segunda-feira.

Já na comparação com novembro de 2019, houve um recuo de 10,9% na produção de petróleo.

A produção brasileira de gás natural também apresentou recuos em novembro, de 2,8% em relação a outubro e de 7,5% ante o mesmo mês de 2019, para 126 milhões de metros cúbicos por dia (m³/d).

Somando a produção de petróleo e gás, o Brasil produziu 3,55 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) em novembro, uma queda de 3,8% ante outubro e um recuo de 10% ante o mesmo mês de 2019.

"A redução na produção total de petróleo e gás em novembro foi motivada, principalmente, por paradas programadas e/ou causadas por necessidades operacionais de plataformas localizadas nos campos de Búzios, Tupi (localizados na Bacia de Santos, no polígono do Pré-sal), Albacora (Bacia de Campos) e Atlanta (Bacia de Santos)", disse a ANP em nota.

Devido aos efeitos da pandemia, 34 campos permaneceram com suas respectivas produções temporariamente interrompidas durante o mês de novembro, sendo 17 marítimos e 17 terrestres, segundo a ANP.

Da produção total, 2,422 milhões de boe/d foram produzidos no pré-sal em novembro, sendo 1,92 milhão de bpd de petróleo e 79,808 milhões de m³/d de gás. No total, houve redução de 4,4% em relação ao mês anterior e de 6,4% em relação a novembro de 2019.

A Petrobras, principal produtora brasileira, como concessionária, produziu 2,005 milhões de bpd em novembro, queda de 5,78% na comparação com outubro.

Já a Shell, segunda maior produtora do país, alcançou uma produção de 344,899 mil bpd de petróleo em novembro, alta de 1,4% na mesma comparação.

(Por Marta Nogueira)