Produtor é sentenciado a um ano de prisão por manipulação de votos em reality de K-pop

·1 minuto de leitura

O produtor Kim Tae Eun, do reality show ''Idol school'', da Mnet, foi sentenciado a um ano de prisão por manipular os votos do programa, exibido em 2017. Nesta quinta-feira, a Corte Central do Distrito de Seul, na Coreia do Sul sentenciou Tae Eun à prisão e condenou o chefe de planejamento da atração, identificado apenas como ''Kim'', a pagar uma multa de 10 milhões de won (cerca de R$ 40 mil) por fraude. As informações são do portal sul-coreano ''Soompi''.

O programa ''Idol school'' foi lançado em julho de 2017 com um conceito similiar ao ''Produce'', que também teve manipulação de votos. Durante 11 semanas, 41 jovens trainees (nome dado aos futuros idols de K-pop) praticaram canto, dança, atuação e outras artes para formarem um grupo. Ao fim dos treinos, nove integrantes foram selecionadas para estrearem no grupo Fromis_9.

Em setembro de 2019, o programa começou a ser investigado por suspeita de manipulação dos votos do público. Kim Tae Eun e ''Kim'' foram acusados por obstrução de negócio e fraude. De acordo com as investigações, a participante Lee Hae In foi uma das mais prejudicadas pelo esquema e foi eliminada do programa por Tae Eun, que não a considerava ''adequada para o conceito do grupo'' que queria formar. Após a audiência desta quinta-feira, o produtor foi levado para a prisão sob custódia.