Produtor de versão eletrônica de ‘Robocop Gay’, dos Mamonas, conta que buscou aprovação do público LGBTQIAP+

·2 minuto de leitura

Vítimas de um acidente aéreo fatal em março de 1996, os Mamonas Assassinas e sua obra foram revisitados para um novo projeto musical. O álbum digital “Very crazy”, lançado nesta sexta-feira, 27 de agosto, traz novas versões para alguns dos hits da banda, que foi um fenômeno nos anos 90 (ouça nos vídeos abaixo). Uma das faixas deu uma nova cara a “Robocop Gay”, uma das canções mais famosas do irreverente grupo, mas também criticada por algumas pessoas que a consideram preconceituosa. Com as vozes dos próprios cantores dos Mamonas, ela virou música eletrônica, com um remix futurista feito pelo produtor David Gomes, da produtora dg3.

— Nossa intenção foi fazer um versão eletrônica para as pistas de dança, divertida e livre de preconceitos, mantendo o espírito alegre dos Mamonas. Como o tema da canção é bastante sensível, apresentamos o trabalho para diversas pessoas do segmento LGBTQIAP+, e todos aprovaram o resultado — conta David.

Segundo a gravadora Universal Music, as novas versões das músicas foram aprovadas pelos herdeiros da banda e por Rick Bonadio, que foi o produtor original do grupo nos anos 90.

Outras versões

“Very crazy” traz outras releituras para “Pelados em Santos” e “Vira vira”. A primeira ganhou as vozes dos funkeiros Buchecha e MC Koringa, que a transformaram num jazz, com piano, instrumentos de sopro e coro.

— Participar desse projeto e defender uma canção tão marcante em minha vida é um misto de emoção e saudade gigantes, pois me fez recordar do único show a que assisti dos Mamonas, no Mauá de São Gonçalo, em 1995, e é até hoje o melhor show que pude ver. Eles tinham uma energia única, e, sinceramente, foi uma responsabilidade tremenda cantar “Pelados em Santos” nesse formato, sem deixar de lado a irreverência exclusiva da banda nos palcos e nas músicas! — afirma Buchecha.

Koringa complementa:

— Foi uma oportunidade incrível, serei eternamente grato (por participar). Ainda mais ao lado do meu amigo Buchecha e em uma versão totalmente diferente da original e também diferente do que costumo fazer. Quando recebi o convite, eu disse: “Me belisca para ver se estou sonhando”. Os Mamonas Assassinas estarão eternamente em nossos corações.

Já “Vira vira” virou um samba de roda nas vozes de Anderson Leonardo, do Molejo, e Ivo Meirelles.

— Foi simplesmente maravilhoso, gostei muito! Até porque os Mamonas foram uma referência da minha geração — afirma Anderson do Molejo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos