Professor agredido e humilhado por alunos diz que chegou a pedir ajuda, mas não foi atendido

Reprodução

Um professor da rede pública que foi hostilizado e agredido em sala de aula pelos próprios alunos em Rio das Ostras, no interior do Rio de Janeiro, declarou ter pedido ajuda da coordenação do Centro Integrado de Educação Pública (Ciep) Mestre Marçal, onde trabalha, durante as ofensivas. No entanto, não foi ouvido por ninguém e, quando levou as queixas à Secretaria de Educação do município, foi aconselhado a deixar a escola.

Em vídeo que circula nas redes sociais desde o início da semana, o docente, identificado como Thiago dos Santos Conceição, de 31 anos, é visto aplicando uma prova de português aos estudantes. Os alunos dão risadas, escrevem palavrões no teste, vandalizam as paredes da escola e xingam o professor em mais de uma ocasião. Um deles tenta empurrá-lo em meio a uma discussão e, ao fim da gravação, enquanto o educador escreve na lousa, arremessam uma pochete em sua direção, sem acertá-lo.

Thiago questiona ao estudante se pretendia atingi-lo e ouve em resposta: “Espera aí, que agora vai acertar”. Nas filmagens é possível ouvir as risadas dos alunos.

“Um dos vídeos mostra eu pedindo ajuda na porta, sendo que ninguém me ouve, ninguém vem falar comigo. Eu recolho o meu material e vou à direção. Nessa escola, em especial, diretor fica responsável pela parte administrativa. Nunca recebi a visita de nenhuma diretora em sala de aula”, relatou em entrevista ao Bom Dia Rio, da TV Globo, nesta sexta-feira (21).

Durante o vídeo, um dos alunos chega a questionar o colega: “Vai matar o professor, cara? Faz isso não. O cara te dá aula, o cara é maneiro”. Em resposta, escuta o companheiro dizer que “o cara nunca mais vai dar”.

“Sem nenhum apoio, eu fui chorando, consegui chegar à Secretaria de Educação muito abalado. Pediram que eu fosse à Ouvidoria, fiz a denúncia e não conformado fiquei na Secretaria aguardando que alguém falasse comigo. A subsecretária me atendeu e falou que era muito triste aquele situação e que na escola não teria vaga. A solução era sair da escola”, relatou Thiago ao telejornal.

Em nota enviada à emissora, a Secretaria de Educação de Rio das Ostras informou que o caso foi relatado no início da semana e que os alunos envolvidos foram suspensos e seriam submetidos a outras medidas socioeducativas. O texto afirma que trata-se de uma turma com estudantes “indisciplinados”, transferidos de outra unidade de ensino, embora nunca tenha sido registrado nenhum episódio similar ao que ocorreu com Thiago. A prefeitura também afirmou que o professor receberia todo o suporte jurídico e psicológico pelo caso.

O professor nega ter recebido qualquer auxílio do município.

“Ontem, a subsecretária ligou pra dizer que está dando total apoio psicológico, sendo que isso não está acontecendo. Eu não posso voltar a Rio das Ostras porque nas ameaças os alunos pediram pra eu tomar cautela e pra eu ter cuidado pra não amanhecer morto”, contou o docente.

Um dos alunos do vídeo, que alega ter sido o que arremessou a pochete, divulgou um pedido de desculpas após a divulgação dos vídeos. “Nenhum ser humano gosta de ser tratado assim, mas na hora do embalo acaba não pensando nas consequências”, disse o adolescente.

Mas durante a entrevista desta manhã, Thiago afirmou que não se tratava de uma brincadeira: “Eles não estavam brincando. Não existe brincadeira de ameaçar o outro, conforme foi feito. Eles falam no vídeo ‘você vai matar mesmo o professor?’ e o outro aluno diz ‘vai matar’.”

“Não adianta simplesmente pedir desculpas como da maneira que estamos vendo nesse vídeo. Eu não vejo nenhum arrependimento. Eu entendo a desculpa como mudança de atitude que ele e a família dele precisam refletir”, acrescentou o docente.

Abaixo, o vídeo que mostra o professor sendo humilhado e agredido pelos alunos: