Professor é suspeito de assediar alunas adolescentes dentro de escola no Recife

Professor temporário é acusado de assediar sexualmente alunas em escola de Pernambuco - Foto: Reprodução/Google Street View
Professor temporário é acusado de assediar sexualmente alunas em escola de Pernambuco - Foto: Reprodução/Google Street View

A Polícia Civil de Pernambuco está investigando um professor, de 66 anos, por suspeita de assediar três alunas adolescentes, na Escola Estadual no bairro dos Torrões, na Zona Oeste de Recife.

Os abusos teriam sido praticados, segundo a Polícia Civil, dentro da Escola Estadual Pintor Lauro Villares. A identidade do suspeito não foi divulgada.

Segundo informações do portal G1, o professor é temporário e está na escola desde o dia 10 deste mês.

Os atos praticados pelo professor, teriam acontecido durante as duas semanas em que ele lecionou na escola, que fica na comunidade Roda de Fogo. Ele é investigado por importunação sexual e outros crimes, que não foram divulgados.

Relatos de testemunhas dão conta de que o professor passava pelas alunas "roçando" nelas nos corredores e nas salas de aula, e trabalhava com o zíper da calça aberto.

Uma das adolescentes, vítima do professor, contou à mãe que o suspeito ficou na porta da sala para que, ao ir ao banheiro, ela fosse obrigada a passar próximo a ele.

Após as alunas contarem às mães, as responsáveis foram à direção, e depois ao Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA), no bairro da Madalena, na Zona Oeste do Recife.

A denúncia foi feita na terça-feira (22) e confirmada nesta quarta-feira (23) pela Polícia Civil.

A Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco, por meio de nota, informou que está acompanhando o caso, e que, antes de ir à delegacia, o Conselho Tutelar foi acionado pela gestão escolar.

"O professor envolvido foi afastado da escola e, após a conclusão da investigação, poderá ter o contrato cancelado. Outro professor será enviado para dar continuidade ao calendário letivo da disciplina", afirmou a SEE.

A pasta também disse que "repudia qualquer tipo de atitude que configure crime, e que preza pelo bem-estar da comunidade escolar dentro das instituições de ensino. Além disso, a Escola Estadual Pintor Lauro Villares promove ações e projetos de prevenção de conflitos, enfrentamento à violência, bom relacionamento, respeito e paz".

Segundo testemunhas que não se identificaram disseram que a direção da escola teria feito uma reunião com as adolescentes, sem a presença dos responsáveis.

Na internet, circula uma mensagem em que a gestão teria dito que não tentou "abafar" o caso e que ouviu as adolescentes sem as mães por causa de incompatibilidade de horários, além de apontar que não conhecia o professor previamente.

"Se só tomei conhecimento ontem [segunda] foi porque ninguém me procurou antes. Se as alunas nos procuraram, é porque têm confiança em nosso trabalho. Estou nesse momento na delegacia como testemunha para fazer meu papel", afirma a pessoa responsável pela gestão, segundo a mensagem.