Professor é preso após comentar no Facebook zombando morte de PM

Reprodução

Um professor de geografia foi preso em Belo Horizonte (MG) na terça (17) por apologia ao crime. Segundo o boletim de ocorrência, em comentário feio em rede social, ele parabeniza uma pessoa que assassinou um policial militar.

“Parabéns ao menino da moto”, escreveu ele no campo de comentários da matéria compartilhada no Facebook. O comentário foi apanhado, mas o próprio professor confirmou a publicação.

Leia também

O crime em questão ocorreu na noite de segunda (16) em Ibirité, também em Minas Gerais. Sérgio Ricardo Silvério Cavalcanti estava em um carro com sua família quando foi atingido por tiros disparados por uma pessoa em uma moto. O caso está sob investigação.

O comentário do professor foi feito no perfil no Facebook da rádio Itatiaia pouco depois das 8h da manhã da terça. A polícia passou a procurá-lo e pouco depois o encontrou em sua casa, no bairro de Nova Tupi.

Identificado como Pablo Emmanoel, o professor foi preso por apologia ao crime, de acordo com a polícia.

"Fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime. Pena - detenção, de três a seis meses, ou multa”, prevê o artigo 287 do código penal.

Quem recebeu os PMs na residência foi a mãe de Pablo, que segundo relatos encaminhou os oficiais até o quarto do filho, onde, segundo os policiais, ele estava “nervoso e tenso” na hora de receber voz de prisão. A mãe teria, ainda, pedido para que eles verificassem se não havia nada de ilícito no quarto do filho, mas a corporação não julgou necessário.

Em nota, a superintendência de ensino e a direção da escola afirmam que estão cientes do caso, mas não conhecem o teor do boletim de ocorrência.

Na delegacia, o professor concedeu entrevista:

“Quero pedir desculpas pelo meu erro. Estou à disposição da família, estou à disposição judicialmente também. Agora é arcar com as consequências do meu erro. Não vou tentar fugir, a postagem tá lá, né. Só deixando claro também que eu não tenho nada contra a polícia”, disse ele.