Professor que acorrentava alunos em sala de aula ficará dois anos preso

Policiais patrulham o tribunal de Louga, onde ocorreu o julgamento (AFP)

Um tribunal senegalês condenou a dois anos de prisão o professor de uma escola corânica na qual estudantes fugitivos eram acorrentados, uma questão que divide o país entre tradições e direitos das crianças, domínio religioso e autoridade do Estado.

Os eventos desencadearam debates acalorados em um país predominantemente muçulmano, que possui milhares de escolas corânicas e que, por sua vez, é afetado pela evolução dos costumes.

Leia também

Prevendo um possível surto de violência por parte dos apoiadores do professor, a polícia bloqueou todo o acesso ao tribunal em Luga (noroeste).

As dezenas de fiéis que estavam por trás das barreiras pareciam saudar a ausência de uma sentença de prisão maior.

Alguns dias atrás, os apoiadores do professor, Cheikhouna Guèye, saquearam o tribunal quando o juiz se recusou a libertá-lo com seus cinco co-réus - quatro pais e o ferreiro que fez as correntes.

Famara Mane, advogado dos réus, disse à AFP que estava satisfeito com a sentença de "apaziguamento e sabedoria" e disse que seus clientes seriam libertados da prisão no mesmo dia.

Os cinco foram presos no final de novembro, após a descoberta de vário

Da AFP