Professor universitário cria canal na YouTube para dar aula de carnaval

Regiane Jesus
·2 minuto de leitura
Acervo pessoal
Acervo pessoal

RIO — Já que não é possível brincar o carnaval até que se tenha uma vacina contra a Covid-19, dá para estudar o que está por trás da folia. Só não vale deixar o samba morrer! Fã declarado de fantasias, alegorias e adereços, o professor de sociologia Mauro Cordeiro, morador de Brás de Pina, criou, pouco depois da chegada da pandemia, um canal no YouTube para falar do seu assunto favorito. O Pensamento Social do Samba é um espaço dedicado à discussões sobre essa manifestação popular, além de oferecer cursos voltados para quem tem interesse em saber os bastidores dessa indústria cultural, passando por questões como racismo e desigualdade social.

Filho de uma família de foliões, o pesquisador, que é torcedor do Salgueiro, se encantou ainda na infância pelos desfiles.

— Eu tenho primo mestre-sala, prima porta-bandeira, avó baiana, mãe que sempre desfilou, enfim, sempre tive intimidade com esse universo. Quando cresci, levei esse amor para a minha vida acadêmica. Através das pesquisas, estudo o Brasil, suas questões políticas e sociais, pela ótica do carnaval. O samba, por exemplo, é um gênero musical já aceito, mas que ainda enfrenta preconceito, sobretudo por sua origem ligada à comunidade negra. No canal Pensamento Social do Samba, eu e o meu parceiro Vinícius Natal jogamos luz sobre diversas questões do nosso dia a dia, mas que podem ser compreendidas através da folia — diz Cordeiro.

Os cursos on-line oferecidos no canal nasceram após as aulas presenciais que os amigos dariam no Museu do Samba, no primeiro semestre, serem canceladas devido à necessidade de distanciamento social. Adaptado ao novo formato de educação e troca de ideias, o professor de sociologia até vê vantagens no ensino remoto:

— Atualmente, temos alunos de outros estados e de outros países, o que dificilmente seria possível no presencial. É muito bom falar de carnaval, dos desfiles da Marquês de Sapucaí, para pessoas que estão longe do Rio e que, em muitos casos, só conhecem essa festa pela TV. A pandemia nos impôs a necessidade de migrar para o mundo virtual, o que expandiu os nossos horizontes.

Por a partir de R$ 100, os alunos estão convidados a fazer uma viagem no tempo através da história do carnaval e de suas personalidades. Nesta segunda (16), tem início o curso “Intelectuais negros do samba”, que jogará luz sobre a biografia de grandes mestres, como Martinho da Vila, Dona Ivone Lara, Leci Brandão, Silas de Oliveira e Heitor dos Prazeres.

— As aulas vão acontecer ao vivo, mas também ficarão disponíveis para que os alunos vejam quando quiserem. Os cursos são pagos, mas há bolsas para pessoas negras de baixa renda — observa Cordeiro, que disponibiliza para os interessados o e-mail pensamentosocialdosamba@gmail.com.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)