Professora é afastada no DF após exibir vídeo de mamute com drogas e prostituição

Professora foi afastada após exibir vídeo do
Professora foi afastada após exibir vídeo do "Mamute Pequenino" - Foto: Reprodução
  • Professora foi afastada do colégio em que lecionava no Distrito Federal por causa da exibição de um vídeo

  • A animação mostra um mamute que transa com prostitutas, usa drogas e acaba morrendo no fim

  • Pais e mães de alunos do 4º ano da escola pediram providências à instituição

Uma professora foi afastada da escola em que lecionava no Distrito Federal após exibir para alunos de 9 a 10 anos o vídeo de uma animação que trata de temas como drogas, prostituição e morte.

A profissional mostrou à classe o vídeo do "Mamute Pequenino", uma animação que viralizou há mais de uma década, na qual o animal usa entorpecentes, tem relações sexuais desprotegidas e, após contrair diversas doenças, morre.

O conteúdo da peça fez com que os alunos do 4º ano da escola contassem o que haviam visto aos pais. A mãe de uma das crianças desabafou sobre o assunto em um grupo de WhatsApp.

“Gostaria de compartilhar aqui um vídeo que foi passado em sala de aula pela professora para a turma de quarto ano do meu filho, que tem crianças entre 9 e 10 anos de idade. E, pior, a professora pediu para que os alunos não contassem para os pais que ela tinha passado. Não sei o que acho pior, se é o conteúdo do vídeo em si, ou a professora influenciar os alunos a não contarem para os pais o que assistem”, relatou.

Colégio se manifesta

As reclamações chegaram à diretoria, que divulgou nota aos pais admitindo o erro, informando sobre o afastamento da docente e explicando que os trâmites para sua demissão já foram iniciados.

“Sabemos da gravidade da situação e estamos atuando de maneira bastante responsável e com sentimento de urgência”, afirmou o colégio.

Em contato com a reportagem do portal Metrópoles, o gestor da instituição explicou que a professora é estrangeira e, por isso, pode não ter compreendido exatamente o teor do vídeo.

“Ela é da Macedônia, não fala português e vem de uma cultura diferente. Infelizmente, isso acontece, mas estamos providenciando já a demissão dela”, comentou.