Professora e PM brigam em sala de aula em escola no DF

Gestão da escola é compartilhada entre a Secretaria de Educação e a Polícia Militar (Foto: Reprodução/TV Globo)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Gestão da escola é compartilhada entre PM e Secretaria da Educação

  • Policial entrou na sala de aula da professora e começou a dar advertências para alunos

O Centro Educacional 7 de Ceilândia, no Distrito Federal, foi palco de uma discussão entre uma professora e um policial militar na última terça-feira (12). A briga acabou em denúncia à Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do DF.

A escola é uma das que, desde fevereiro, têm a gestão compartilhada entre PM e Secretaria da Educação. Testemunhas relatam que o sargento Policarpo entrou na sala enquanto a professora dava aula e começou a entregar advertências para alguns dos alunos dela. Ela pediu para o militar se retirar da sala, mas ele respondeu que ela não tem autoridade para isso.

Leia também

Então, a professora pede à diretoria que envie alguém para a sala para resolver a situação, já que o policial estava menosprezando sua autoridade diante dos alunos. Ela diz que a atitude dele é “inadmissível” Em resposta, o sargento ri e repete que ela não tem autoridade sobre a sala.

O deputado distrital Fábio Felix (PSOL), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do DF, afirmou ao G1 que, na sua opinião, a ocorrência é prova de que "policiais estão sendo destinados para as escolas do DF sem qualquer preparo para atuação em ambiente escolar".

Em nota, o Sindicato dos Professores do DF disse que "é lamentável o que aconteceu no CED 07 de Ceilândia dentro de uma sala de aula. Uma violência extrema com a professora na presença dos alunos no seu local de trabalho".

Ao G1, a Secretaria de Educação do Distrito Federal afirmou que "em relação aos acontecimentos ocorridos nesta segunda-feira (12), no CED 7 de Ceilândia, irá apurar os fatos para então se manifestar". Em nota semelhante, a PM disse que "todas as partes serão ouvidas e os fatos serão analisados pela corporação para esclarecer o ocorrido no Centro Educacional 07".