Professora lê mensagens de um passageiro ao seu lado e descobre possível agressor sexual

Uma professora de pré-escola embarcou no avião da Southwest Airlines em Seatlle, Estados Unidos, pensando que seria um voo normal até a cidade de São Francisco. No entanto, o destino quis que ela se transformasse numa testemunha fundamental para impedir o que as autoridades afirmam que poderia se converter num terrível caso de abuso sexual infantil.

A jovem educadora – cujo nome não foi revelado – se acomodou em seu assento para a viagem de duas horas, mas algo atraiu imediatamente a sua atenção: no assento dianteiro um homem usava um telefone celular de tela ampla, com letras desproporcionalmente grandes.

O suspeito Michael Kellar, de 56 anos. Foto da polícia de San Jose via AP

Entediada e curiosa, a professora começou a prestar atenção nas mensagens de seu vizinho pelos espaços entre as cadeiras do avião. No entanto, o que ela descobriu, lhe arrepiou toda: a conversa continha mensagens de teor sexual explícito, detalhando especificamente abusos sexuais contra menores de idade.

A mulher conseguiu tirar fotos das mensagens e mostrou à tripulação do voo, que alertou as autoridades em San José.

Quando a aeronave aterrissou, a polícia estava esperando Michael Esta Kellar, de 56 anos. Abordado pelos agentes, ele mostrou as mensagens mas alegou que eram apenas jogos de interpretação de papéis e fantasias sexuais, conforme informou o jornal local Mercury News.

Ao rastrear o destinatário das mensagens, as autoridades descobriram que se tratava de Gail Burnworth, de 50 anos, que estava em sua casa, em Tacoma. No entanto, havia algo mais surpreendente: ela estava cuidando de duas crianças, de 5 e 7 anos, que aparentemente seriam o alvo dos abusos sexuais descritos por Kellar.

A suspeita Gail Burnworth. Foto da polícia de San Jose, via AP

Burnworth era babá e Kellar conseguiu chegar às vítimas através dela, segundo a investigação. O homem garante que conheceu a mulher por meio de um site de relacionamentos.

Os dois suspeitos foram presos. Kellar foi acusado de tentativa de abuso de menores e solicitação de delito sexual, enquanto Burnworth foi acusada por violação de menores e exploração sexual de crianças.

Os menores, sobre os quais não se sabe mais detalhes, estão a salvo.

Em um comunicado de imprensa na semana passada, o sargento da polícia de San José, Brian Spears, elogiou a ação da professora.

“Eu gostaria de destacar que, se não fosse por esta passageira ter tomado medidas para alertar a tripulação e a polícia, o desfecho desta história poderia ter sido terrível,” afirmou ele. “Ela é a nossa heroína”.

Benito Kozman