Professora viraliza ao dar aula virtual para apenas 1 aluno em SP

·2 minuto de leitura
A professora Maria Najila Ferreira Santana, que deu aula virtual para apenas um aluno em Guarujá (SP)
A professora Maria Najila Ferreira Santana, que deu aula virtual para apenas um aluno em Guarujá (SP)
  • A professora Maria Najila Ferreira Santana se emocionou ao dar aula virtual para apenas um de seus 30 alunos

  • A profissional leciona para duas escolas em Guarujá (litoral de São Paulo)

  • A filha de Najila, Nayla, compartilhou a aula solitária da mãe nas redes sociais

A professora Maria Najila Ferreira Santana, de 54 anos, viralizou após apenas um de seus 30 alunos do Ensino Fundamental apareceu para a aula virtual. A emoção da profissional foi compartilhada pela filha, Nayla, nas redes sociais.

"Eu a vi estudando o conteúdo, fazendo recortes em papel colorido, enviando vídeos de apoio para a plataforma online da escola. Mas quando abriu a sala virtual, ninguém apareceu. A cada 10 minutos eu perguntava a ela se alguém tinha aparecido, mas ela dizia que não. Depois de 30 minutos, resolvi fazer o post e contar sobre a frustração dela", detalhou a jovem de 21 anos em entrevista ao portal UOL.

previstas em abril, maio e junho.

Leia também

Maria Najila leciona para duas escolas da rede de ensino municipal de Guarujá, litoral de São Paulo, em dois horários, de manhã e à tarde. Na última terça-feira (13), ela se preparou para receber a turma do período vespertino. Ela estudou o conteúdo, subiu os vídeos de apoio, recortou o material visual que seria utilizado para ensinar os estudantes e sentou em sua atual sala de aula: uma mesa da sala de jantar, de frente para um notebook.

Depois de uma hora de espera, segundo a filha, a expressão da mãe se transformou quando o primeiro e único aluno se conectou à sala virtual. "Ela deu aula para esse único estudante como se estivesse ensinando para os 30 que ela estava aguardando. Foi muito emocionante de ver e ela também se emocionou muito quando a mãe da criança abriu a câmera", relembrou Nayla.

"A Secretaria de Educação (Seduc) vem fazendo um trabalho de adaptação de todo o conteúdo programático para o ensino remoto. E nós, professores, estamos nos esforçando para conseguir fazer um trabalho de excelência. Impossível conter a frustração diante da baixa frequência nas aulas online", afirmou a Najila, destacando a frequente falta de estrutura na casa dos estudantes.

"Toda vez que um aluno aparece, dada a situação precária em que vivem nas suas comunidades, é uma alegria para mim. Acho que posso dizer que represento o sentimento de 100% dos professores do país", declarou a profissional, que contraiu o coronavírus quando mesclava aulas presenciais e virtuais. Apesar de recuperada, ela traz sequelas da doença: uma dor de cabeça insistente.

"As dificuldades criadas pela pandemia são muitas, principalmente para as crianças das comunidades. Por isso, sonho com um futuro próximo mais justo e de mais igualdade. Sempre digo aos meus alunos: 'Vim aqui para trabalhar, então vou dar o meu melhor. Se você quiser aprender, vai aprender'", opinou.