Profissionais de saúde espanhóis sofrem trauma mental meses após primeira onda da Covid-19

Joan Faus e Nacho Doce
·3 minuto de leitura
Enfermeiro Ricardo Belmonte chora durante entrevista à Reuters

Por Joan Faus e Nacho Doce

BARCELONA (Reuters) - Já se passaram oito meses desde que ele tratou pela última vez um paciente com Covid-19, mas o enfermeiro espanhol Ricardo Belmonte ainda se sente ansioso quando se lembra da primeira onda da pandemia na unidade de terapia intensiva do hospital Vall d'Hebron, em Barcelona.

No início do ano passado, os pacientes imploraram a ele para salvar suas vidas e ele teve que viver longe de sua família por três meses para protegê-los de infecções.

“Um sentimento de ansiedade ficou todo esse tempo. Tenho superado com a ajuda da minha família, conversando com outros colegas”, disse Belmonte, de 50 anos.

O coronavírus e a doença associada, a Covid-19, tiveram um impacto ainda mais profundo porque seus pais foram infectados e seu pai, de 90 anos, faleceu.

"Fico furioso por não ter conseguido cuidar dele", lembrou Belmonte, incapaz de conter as lágrimas. Ele não consegue abraçar a mãe há quase um ano.

O custo emocional do tratamento de pacientes com Covid-19 está sob crescente escrutínio, à medida que profissionais de saúde sobrecarregados ao redor do mundo revivem suas experiências de enfermarias de hospitais superlotadas e altas taxas de mortalidade.

A Espanha está entre os países mais afetados, com cerca de 3 milhões de casos e mais de 61.000 mortes.

Cerca de 45% dos profissionais de saúde na Espanha estavam sob alto risco de desenvolver algum tipo de transtorno mental após a primeira onda do coronavírus, de acordo com uma pesquisa recente com 9.000 profissionais em 18 hospitais. O levantamento também mostrou que 3,5% deles tinham pensamentos suicidas.

Depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático foram as queixas mais comuns. O impacto na saúde mental foi maior entre as pessoas que pegaram Covid-19 ou cujos familiares foram infectados.

"As pessoas, incluindo os trabalhadores (de saúde), têm dificuldade em admitir ter um problema psicológico porque o consideram uma fraqueza, uma falha pessoal", disse Eduard Vieta, chefe de psiquiatria e psicologia do Hospital Clínico de Barcelona, que fez parte do estudo.

Ele disse que o hospital oferecia aconselhamento e descobriu que um dos maiores desafios era convencer os profissionais de saúde a saírem da linha da frente do coronavírus, porque "não vêem os seus limites".

Belmonte recusou a oferta de um terapeuta de seu hospital, pois preferia se abrir com sua família.

Ele disse que teria o maior prazer em tratar pacientes com Covid-19 novamente na unidade de terapia intensiva (UTI) onde trabalha, que é especializada em cardiologia, mas de março a maio tratou apenas com Covid-19.

Sua colega Teresa Pastor, 53, sentiu o contrário. Embora ame o seu trabalho, não quer reviver essa experiência na UTI onde trabalha.

O tratamento de pacientes com Covid-19 a mudou e ela ainda sente o impacto emocional. Teresa aumentou sua prática de ioga para inspirar calma e gostaria de trabalhar meio período cuidando de plantas ou animais, evitando o contato humano.

“As cicatrizes (mentais) vão durar, porque ninguém vai apagar o que você viveu. O que é diferente é como você trata essas cicatrizes e se quer que fiquem bem visíveis ou não”, disse Terapeuta.

Ela também se recusou a ver um terapeuta, preferindo falar com a família e amigos e encontrar sua própria paz.

(Reportagem de Joan Faus e Nacho Doce; reportagem adicional de Luis Felipe Castillej)