Profissionais de saúde do Rio poderão retirar vacinas contra a gripe em postos para aplicar em vizinhos e parentes

Campanha de vacinação contra gripe começou nesta segunda-feira

Para evitar aglomerações em postos de vacinação contra a gripe no município do Rio, a Prefeitura determinou que médicos e enfermeiros poderão retirar vacinas em 27 postos da cidade para aplicar em vizinhos, parentes e pacientes em suas respectivas residências.

A medida vale para funcionários das redes pública e privada de saúde e cada um deles poderá retirar de 10 a 15 doses. Para isso, será necessário fazer um cadastro online e agendamento prévio. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o link para o cadastramento estará disponível ainda nesta segunda-feira no site da pasta. As seringas, agulhas e os comprovantes de vacinação também serão disponibilizados pela SMS. A lista dos postos ainda não foi divulgada.

Em entrevista ao "RJTV", o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), disse que a iniciativa deve começar na Barra da Tijuca, Zona Oeste, e seguir para a Zona Sul, onde há mais casos registrados da Covid-19. Vale ressaltar que a vacina contra Influenza não garante proteção contra novo coronavírus mas ela pode facilitar o diagnóstico e diminuir o número de doentes que procuraram por hospitais, o que poderia causar o colapso do sistema de saúde.

As vacinas contra a gripe estão sendo aplicadas em 233 centros municipais de saúde e clínicas da família, além de cinco postos do Detran-RJ onde vai funcionar o serviço de "drive thru". Nesses locais não será necessário que o paciente saia do carro para ser imunizado.

Esse serviço é realizado nos postos do Detran localizados em Campo Grande, Barra da Tijuca, Ilha do Governador, Tijuca e Catete, com o suporte de agentes da Guarda Municipal, CET-Rio e Comlurb. Não será permitido o acesso de pedestres nos postos, que funcionarão de 10h às 16h — inclusive no sábado e no domingo da desta semana  (dias 28 e 29) – todos os dias, até 4 de abril.

A previsão da SMS é de que 90% da população alvo da campanha na cidade sejam vacinados, o que corresponde a pouco mais de 2 milhões de pessoas. A campanha vai até 22 de maio. Na primeira etapa só serão vacinados maiores de 60 anos e profissionais da saúde. Na segunda fase, a partir do dia 16 de abril, a vacina estará disponível para três outros grupos: professores das escolas públicas e privadas; profissionais das forças de segurança e salvamento; portadores de doenças crônicas.

Já no dia 9 de maio, dia D de mobilização nacional – quando diversos postos serão disponibilizados em toda a cidade – inicia a terceira fase da campanha, com mais grupos inseridos: crianças de seis meses a 5 anos, 11 meses e 29 dias; gestantes e mulheres até 45 dias após o parto; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional; indígenas; adultos de 55 a 59 anos; pessoas com deficiência. Ao comparecer ao posto, solicita-se a apresentação da caderneta de vacinação, se disponível, especialmente no caso das crianças, para que o profissional de saúde verifique se há outras vacinas a serem colocadas em dia. Mesmo quem não tem caderneta e faz parte dos grupos alvo poderá se vacinar. Pessoas com febre devem aguardar a melhora. Já quem tiver alergia grave a ovo deve informar ao profissional de saúde e será orientado a tomar a vacina em unidades específicas, sob condições especiais.

Nesta primeira fase da vacinação as 233 unidades municipais receberão os pacientes de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.