Profissionais de saúde desfilam na Viradouro em homenagem à linha de frente do enfretamento à pandemia

·1 min de leitura

RIO — Para homenagear quem enfrenta a pandemia na linha de frente, a Viradouro convidou profissionais de saúde para desfilarem em uma das alegorias. A escola apresentará um paralelo entre o carnaval de 1919, primeiro após a pandemia da gripe espanhola, com o atual momento que passa o planeta.

O carro onde estarão os profissionais de saúde é uma referência ao Liberty Club, que promoveu em 1919 grandes bailes à fantasia. Uma dessas festas foi em homenagem aos profissionais que enfrentaram a pandemia da gripe espanhola no Rio.

A médica Vivian Amaral trabalhou em um dos CTIs do Hospital Ronaldo Gazolla, referência para o tratamento da Covid-19, por 18 meses. Um dos momentos que mais a marcou durante o enfretamento à pandemia foi logo no início pelo medo de transmitir a doença para os entes queridos.

— Quando a vacina chegou e percebemos que funcionava foi quando percebemos que estaríamos aqui festejando o fim da pandemia. Fiquei muito feliz porque, infelizmente, o profissional de saúde muitas vezes só é lembrado no momento de tristeza, mas hoje será diferente — conta Vivian.

A assistente social Izis Ferraz trabalha em um hospital da rede SUS no Rio e se emociona ao lembrar das colegas Ana e a Argelina, duas auxiliares de enfermagem que morreram durante a pandemia, vítimas da Covid-19.

— Brinco que fomos a linha de frente da linha de frente por termos atuado com saúde do trabalhador. Quando veio o convite vi que foi uma forma de gratidão em nos homenagear. Hoje conseguimos celebrar o carnaval e vemos que há locais com taxa zero de mortes de Covid — conta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos